Voltar ao topo

23 de julho de 2024

Vamos esperar o mártir?

Compartilhar:

A tragédia em torno do futebol está anunciada. Nas últimas semanas, episódios de agressões e ameaças contra jogadores dos principais times do Brasil ganharam destaque no noticiário. No Corinthians, ameaças de morte a alguns jogadores, incluindo o goleiro Cássio, ídolo da equipe, vieram a público. No Flamengo, o cerco na porta do Ninho do Urubu por pouco não terminou em tragédia. Esse cenário não é novo, mas parece estar cada vez mais hostil. Como repórter, já presenciei invasão de CT aqui no nosso Estado por uma determinada torcida organizada, com a conivência dos dirigentes de um dos principais times da Capital.

Foto: Danilo Fernandes/Reprodução

E essa conivência é um dos ingredientes mais perigosos nesse cenário assustador.

Outro dia, Danilo Fernandes, goleiro do Bahia, sofreu sérios ferimentos no rosto ao ser atingido por uma pedra que tinha a direção do ônibus do time. Podia ter sido fatal. Mas, de acordo com a conjuntura das coisas, um dia vai ser. Em breve, a vida de algum atleta vai se perder. Só aí alguma atitude será tomada? É preciso que haja uma força-tarefa para mudar esse cenário. Na invasão ao CT do Flamengo, filmagens não faltam de indivíduos ameaçando jogadores, batendo em carros e coagindo funcionários do clube.

Até onde eu sei, ameaça é crime. Por que essas pessoas não foram presas? Por que o clube não bane esses torcedores de suas dependências e de seus jogos? É preciso questionar a conivência e as relações de dirigentes do futebol com torcidas “organizadas” e movimentos ilegítimos.

As forças de segurança precisam atuar mais fortemente para repreender, na força da lei, esse tipo de movimento. O futebol não é um mundo à parte. Atletas e profissionais ligados ao esporte são cidadãos, têm família, vida pessoal e direitos como qualquer outro. Precisam ser protegidos pelos clubes e pelo Estado. Do contrário, daqui a pouco, quando morrer alguma personalidade relevante, vai restar o nome dela para batizar algum projeto de lei na intenção de fazer o trabalho já deveria estar acontecendo desde agora. Vamos esperar o mártir?

[ Mais notícias ]