Voltar ao topo

13 de junho de 2024

Rui Costa barra sugestão de reforma da previdência de Carlos Lupi

Durante discurso como novo ministro da Previdência, Lupi defendeu uma revisão das mudanças aprovadas em 2019, que chamou de "antirreforma"; Rui Costa, da Casa Civil, diz que decisão cabe a Lula
O ministro da Casa Civil, Rui Costa, assume o cargo em uma cerimônia no Salão Oeste do Palácio do Planalto. Foto Reprodução/Agência Brasil

Compartilhar:

O ministro da Casa Civil, Rui Costa, afirmou que o governo não estuda nenhuma proposta para alterar a reforma da Previdência, após o ministro Carlos Lupi defender uma revisão das mudanças aprovadas em 2019, que chamou de “antirreforma”.

“Não há nenhuma proposta sendo analisada ou pensada neste momento para revisão de reforma, seja previdenciária ou outra. Neste momento não tem nada sendo elaborado” afirmou o ministro após a posse de Geraldo Alckmin no Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, nesta quarta, 4.

Rui Costa disse ainda que a decisão sobre o tema cabe ao presidente Lula (PT). “Vai passar pela Casa Civil e é evidente que quem teve mais de 70 milhões de votos é quem decide”, reiterou. “Qualquer proposta só será encaminhada depois da aprovação do presidente da República. Ele acabou de me dizer e disse que eu poderia explicitar que qualquer proposta passará necessariamente pela Casa Civil antes da sua análise”, finalizou.

Em seu discurso como novo ministro da Previdência na última terça, 3, Lupi defendeu que a Previdência não é deficitária: “Queremos que todas as arrecadações destinadas constitucionalmente à Previdência estejam no balanço na Previdência. A Previdência não é deficitária. Vou provar isso com números, com dados, com informações”. Na sequência, ele disse que iria reabrir a reforma da Previdência.

Lupi afirmou que quer resgatar a dignidade das aposentadorias e, na ocasião, defendeu que a seguridade e a assistência social não são entraves para o desenvolvimento e, sim, instrumentos de desenvolvimento. “Esses seres humanos precisam ser tratados com respeito e dignidade. São as pessoas que ajudaram a construir a nação que temos hoje”, finalizou. 

Maria Eduarda Pessoa

[ Mais notícias ]