Voltar ao topo

17 de junho de 2024

Ranking mostra que Fortaleza tem o menor índice de desmatamento ilegal entre as capitais brasileiras

Capital cearense obteve nota 100 entre os critérios positivos avaliados para o índice de desmatamento ilegal, subindo 326 posições na comparação com a última pesquisa realizada
Vários monitores da qualidade do ar foram instalados em vários pontos da Cidade Foto: Divulgação/ Prefeitura de Fortaleza.

Compartilhar:

De acordo com dados do Ranking de Competitividade dos Municípios de 2023, Fortaleza é a capital brasileira com menor índice de desmatamento ilegal. O estudo, realizado pelo Centro de Liderança Política (CLP), em parceria com a Gove Digital e a Seall, analisou 410 cidades brasileiras. Segundo a pesquisa, a capital cearense obteve nota 100 entre os critérios positivos avaliados para o índice de desmatamento ilegal, subindo 326 posições na comparação com a última pesquisa realizada e chegando ao topo da lista que elenca as capitais brasileiras com o menor índice de supressão vegetal ilegal.

A secretária do Urbanismo e Meio Ambiente de Fortaleza, Luciana Lobo, destaca que o resultado é fruto da política otimizada de controle ambiental do Município.

“O nosso trabalho é garantir que a dinamização da Cidade ocorra de forma sustentável. Para isso, acompanhamos de perto os impactos ao meio ambiente, garantindo melhores formas de mitigá-los. Essa política se reflete também no índice de cobertura de floresta natural, no qual subimos 16 posições no ranking da pesquisa, consolidando a nossa estratégia de recuperação florestal e arborização urbana”, explica Luciana Lobo.

De 2021 até julho de 2023, mais de 164 mil árvores foram plantadas, em Fortaleza, por meio de ações e projetos do Plano de Arborização Municipal, que fortalece o cuidado compartilhado com o verde, em uma parceria participativa entre poder público, sociedade civil e empresas privadas. “A tendência é melhorarmos este índice, destacando nesse contexto que Fortaleza terá ainda planos de manejo para todas as unidades de conservação e parques urbanos, o que facilitará a preservação, a gestão e os cuidados com os espaços verdes”, acrescenta a secretária Luciana Lobo.

OUTROS INDICADORES

Os dados do Ranking de Competitividade dos Municípios de 2023 também colocam Fortaleza em evidência no índice de emissões de gases de efeito estufa, no qual subiu duas posições, obtendo nota média 56. Atualmente, o Município realiza acompanhamento sistemático das emissões de gases do efeito estufa (GEEs), planejando ações com base em inventários de emissões, que são espécies de raio-X que identificam as fontes de gases de efeito estufa nas atividades produtivas e a quantidade desses GEEs lançada na atmosfera.

Somado a isso, a Secretaria Municipal do Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma) coordena o Gabinete de Governança Climática, que representa uma evolução para a gestão intersetorial da temática.

Fortaleza está posicionada mundialmente como uma cidade de vanguarda na política de vigilância da qualidade do ar. A Prefeitura lançou, em maio de deste ano, a política de vigilância da qualidade do ar. Por meio dela, Fortaleza conta hoje com uma rede de 25 equipamentos monitoramento do ar, em diferentes pontos da Cidade. A ideia é que, a partir da análise dos dados coletados por esses equipamentos, sejam criadas políticas públicas eficazes, voltadas para mitigar problemas do ar, bem como promover saúde pública e qualidade de vida. Atualmente em fase-piloto, o projeto deve ser expandido ainda em 2024.

SOBRE O RANKING

O Ranking de Competitividade dos Municípios de 2023 avaliou 410 cidades brasileiras, municípios com população acima de 80 mil habitantes, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) atualizados em 2022. Para o levantamento, o CLP utilizou 65 indicadores de áreas que são consideradas fundamentais para a competitividade municipal. São analisados, por exemplo, a taxa de matrícula no ensino básico, o tempo para abertura de empresa e a velocidade de desmatamento ilegal.

Esses dados foram retirados de 35 bancos de dados públicos. Para não haver desigualdade nas análises, todos os índices escolhidos costumam ser apresentados ou contam com a obrigatoriedade de divulgação pelas prefeituras.

[ Mais notícias ]