Voltar ao topo

21 de julho de 2024

Qualidade da água no Ceará será analisada por meio de sensoriamento remoto

Quando o modelo estiver calibrado, só com as imagens de satélites será  possível analisar a qualidade da água, principalmente relacionada a presença de pigmentos, como a clorofila
Foto: Divulgação/Cogerh

Compartilhar:

Pesquisadores da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme) e da Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos (Cogerh) iniciaram neste mês as primeiras campanhas de análise e coleta de água de reservatórios do Estado para desenvolvimento de projeto voltado à qualidade da água.

“O trabalho tem como objetivo dar uma resposta rápida a técnicos e pesquisadores, contribuindo para melhoria da segurança hídrica”, frisou o pesquisador da Cogerh e analista de Gestão dos Recursos Hídricos, Mário Barros.

A tecnologia desenvolvida vai utilizar sensoriamento remoto e equipamentos de radiometria para análise das amostras. Mário Barros, explica que, quando o modelo estiver calibrado, só com as imagens de satélites será possível analisar a qualidade da água, principalmente relacionada a presença de pigmentos, como a clorofila.

Equipes da Cogerh de todas as unidades regionais também participarão do projeto, ajudando na coleta de amostras de água.

O projeto, denominado “Implementação, em Caráter Operacional, do Monitoramento Qualitativo dos Reservatórios Monitorados a partir do Uso do Sensoriamento Remoto”, está inserido no âmbito no Projeto de Melhoria da Segurança Hídrica e Fortalecimento da Inteligência na Gestão Pública do Estado do Ceará e é financiado com recursos do Banco Mundial.

Doze reservatórios passarão pela análise das amostras, dentre eles o Castanhão e reservatórios da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), região de Sobral, Serra da Ibiapaba e do Cariri Cearense, como o Acarape do Meio, Curral Velho, Olho d’ água, Jaburu I, e Araras. A pesquisa teve início há pouco menos de um mês e tem projeção para ser finalizada em um intervalo de dois anos.

[ Mais notícias ]