Voltar ao topo

24 de julho de 2024

Projeto que proíbe venda de medicamentos fora de farmácias no Ceará pode ser votado na Alece

Deputado Marcos Sobreira (PDT), autor da proposta, frisa que a população sofre com a falta de acesso aos medicamentos. Há o consumo irracional estimulado pela automedicação e pela concepção errada de medicamento como simples mercadoria
Foto: Divulgação/ Alece

Compartilhar:

Com o objetivo de evitar o consumo irracional de medicamentos ou a venda sem orientação profissional, tramita na Assembleia Legislativa do Ceará (Alece) um projeto de lei que propõe a proibição da venda de qualquer tipo de medicamento em mercados, supermercados (mercantis), lojas de conveniência e estabelecimentos similares em todo o Ceará.

De autoria do deputado Marcos Sobreira (PDT), a proposição sugere a proibição, no Estado do Ceará, da venda e/ou dispensação de qualquer tipo de medicamento, mesmo aquele que não exija receita médica, nos estabelecimentos que não estejam enquadrados no conceito de farmácia estabelecido nos incisos I e II e caput do artigo 3° da lei federal 13.021 /14.

De acordo com o texto da proposta, o não cumprimento do disposto na lei implicará nas seguintes penalidades: multa de R$ 10 mil dobrada em caso de reincidência e suspensão do alvará de funcionamento na terceira autuação. O valor das multas estabelecidas será recolhido em favor do Fundo Estadual de Saúde e atualizado anualmente pela variação do índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), apurado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), acumulada no exercício anterior.

Para o deputado Marcos Sobreira, a questão dos medicamentos no Brasil é paradoxal. Ele ressalta que, por um lado, a população sofre com a falta de acesso aos medicamentos, por outro, há o consumo irracional estimulado pela automedicação e pela concepção errônea de medicamento como simples mercadoria.

“É um grande equívoco afirmar que a maior capilaridade de disponibilização de medicamentos será uma solução para saúde da população, pois o que garante saúde é qualidade de atendimento agregada à orientação adequada sobre o uso racional de medicamentos. Sendo assim, é de suma importância observar que os medicamentos devem ser disponibilizados à população acompanhados de orientação por um profissional habilitado, no caso, um farmacêutico“, observou parlamentar pedetista.

O parlamentar acrescenta ainda que a venda de medicamentos em supermercados (mercantis) somente contribuirá para incentivar a automedicação, expondo a população a riscos, como o aumento de intoxicações, interações medicamentosas, mascaramento dos sintomas, agravamento de doenças e internações. “O Paracetamol, medicamento isento de prescrição (MIP) amplamente utilizado no Brasil. Se usado sem orientação, em dose elevada, pode gerar toxicidade ao fígado“, alertou.

[ Mais notícias ]