Voltar ao topo

12 de julho de 2024

Projeto no Ceará planta 18 mil mudas nativas da Caatinga em pouco mais de 1 ano

A Fazenda Raposa, além de ter relevância ambiental, científica e histórica, está localizada em um ponto estratégico, uma vez que as ações de proteção da área têm desdobramentos para outras três unidades de conservação vizinhas
Foto: Divulgação

Compartilhar:

A Associação Caatinga, organização sem fins lucrativos que visa promover a conservação da vegetação típica do Ceará e demais estados da região Nordeste, realizou um projeto de reflorestamento na Fazenda Raposa, em Maracanaú (CE). Desde março de 2022, foram plantadas 18.750 mudas nativas da Caatinga, o que representa a recuperação de 30 hectares de áreas degradadas.

Conforme a associação, o Brasil abriga a maior biodiversidade de flora e fauna do mundo, com milhares de espécies animais e vegetais. No entanto, muitas delas estão ameaçadas de extinção devido a fatores como mudanças climáticas, tráfico de animais, caça, queimadas e perda de habitat.

“Isso é um dos nossos maiores patrimônios e precisa ser conservado. Essa biodiversidade é a base da sobrevivência humana, interferindo no clima, na purificação da água, no solo, em tudo”, destaca Daniel Fernandes, coordenador geral da Associação Caatinga.

Ainda segundo Daniel, estudos mostram que espécies estão entrando em extinção e muitas outras estão ameaçadas de extinção. “A maioria animais de pequeno porte sensíveis às mudanças climáticas. Mas plantas e animais de grande porte também estão sofrendo devido, principalmente, ao tráfico de animais, caça, queimadas e perda de habitat”, complementa.

A Fazenda Raposa, além de ter relevância ambiental, científica e histórica, está localizada em um ponto estratégico, uma vez que as ações de proteção da área têm desdobramentos para outras três unidades de conservação vizinhas: Área de Proteção Ambiental do Rio Maranguapinho (1.789 hectares), Parque Estadual do Cocó (1.571,29 hectares) e a Área de Proteção Ambiental da Serra da Aratanha (6.448,29 hectares).

E o projeto de reflorestamento ganhou um novo importante parceiro, a White Martins, empresa pioneira no fornecimento de gases industriais e medicinais. A White Martins, em parceria com a Associação Caatinga, irá contribuir com o plantio de 6.250 mudas de espécies nativas da Caatinga dentro da Fazenda Raposa. Ao total, esta iniciativa vai restaurar 10 hectares da Unidade de Conservação.

“A participação da White Martins neste projeto demonstra que o setor privado tem muito a contribuir para a proteção da Caatinga por meio do desenvolvimento de projetos de preservação que estejam alinhados às agendas globais de sustentabilidade”, revela o coordenador.

Este projeto é realizado pela Associação Caatinga, com o patrocínio da The Coca-Cola Foundation e da Solar Coca-Cola, além do apoio da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC), do Governo do Estado de Ceará (por meio da Secretaria Estadual de Meio Ambiente), da Prefeitura de Maracanaú, da Universidade Federal do Ceará, da Durametal, da CoBAP e da White Martins.

SOBRE A ASSOCIAÇÃO

A Associação Caatinga é uma organização da sociedade civil, sem fins lucrativos, cuja missão é promover a conservação das terras, florestas e águas da Caatinga para garantir a permanência de todas as suas formas de vida. Desde 1998, atua na proteção da Caatinga e no fomento ao desenvolvimento local sustentável, incrementando a resiliência de comunidades rurais à semiaridez e aos efeitos do aquecimento global.

[ Mais notícias ]