Voltar ao topo

14 de julho de 2024

Projeto na AL-CE propõe incluir uso da energia eólica no currículo escolar do Ceará

A proposta foi apresentada pelo deputado estadual Romeu Aldigueri (PDT) e lida na sessão plenária desta quarta-feira, 6.
Foto: Divulgação/Assessoria

Compartilhar:

Começou a tramitar na Assembleia Legislativa do Ceará um Projeto de Lei que visa instituir a Semana Estadual de Incentivo ao Uso da Energia Eólica na rede estadual de ensino do Ceará. A proposta foi apresentada pelo deputado estadual Romeu Aldigueri (PDT) e lida na sessão plenária desta quarta-feira, 6. Se aprovada pelos parlamentares e sancionada pela governadora Izolda Cela (PDT), o período será celebrado nas escolas estaduais, anualmente, sempre na primeira semana de junho. O texto ressalta que no dia 15 do referido mês é celebrado o Dia Mundial do Vento, o que levou à proposição da data.

“Acreditamos na importância da discussão a respeito das energias renováveis desde o ensino básico, trazendo atenção para um dos maiores potenciais do nosso Estado, como é o caso da energia eólica. Levar esse conhecimento aos jovens, além de fomentar o uso de outras fontes de energia, pode despertar o interesse das novas gerações para o conhecimento a respeito delas”, afirmou o deputado.

O parlamentar aponta, ainda, que o Ceará vem se consolidando “como um potencial produtor do hidrogênio verde”, situação que promete aumentar o PIB do Estado, como destacado pelo ex-governador Camilo Santana (PT) nas oportunidades em que assinou Memorandos de Entendimento com empresas estrangeiras. Até maio último, o Estado já havia firmado 17 protocolos para fortalecimento do Hub de H2V. O último foi assinado com a empresa H2 Green Power. Para Aldigueri, isso colocoa o Ceará “em posição de destaque na geração de energia a nível nacional”.

“A energia eólica, que já conhecemos e utilizamos há mais tempo, vem se firmando como oportunidade de negócio com a instalação de placas residenciais, gerando um modelo sustentável de consumo e uma alternativa às matrizes energéticas baseadas no petróleo e no carvão”, ressalta. Com a apresentação, a proposta segue para apreciação nas comissões da Casa.

[ Mais notícias ]