Voltar ao topo

23 de julho de 2024

Preço médio da gasolina cai para R$ 5,59 no Ceará em uma semana

O resultado ocorre mais de uma semana após a Petrobras anunciar a redução dos valores do combustível em R$ 0,40 nas refinarias
Foto: José Cruz/Agência Brasil

Compartilhar:

O preço médio do litro da gasolina comum caiu R$ 0,28 nas bombas de combustíveis do Ceará na última semana, segundo levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). O resultado ocorre mais de uma semana após a Petrobras anunciar a redução dos valores do combustível em R$ 0,40 nas refinarias, que passou a vigorar no último dia 17.

Com a queda, o preço médio da gasolina comum no Estado passou de R$ 5,87, verificado entre os dias 14 e 20 deste mês, para R$ 5,59, no intervalo encerrado neste no sábado, 27.

Ao longo das últimas semanas, a gasolina cearense chegou a ficar como a mais cara do Nordeste, mesmo com a redução do preço anunciada pela Petrobras. No balanço anterior da ANP, o valor médio do litro havia subido de R$ 5,82 para R$ 5,87, ficando atrás apenas de Amazonas (R$ 6,56), Acre (R$ 6,39), Rondônia (R$ 5,98) e Roraima (R$ 5,95) no ranking nacional.

No novo balanço, o valor do litro teve uma queda maior que a média nacional, 4,77% ante 3,6%.

MUNICÍPIOS

O menor valor cobrado em postos do Ceará foi encontrado em Caucaia, a R$ 5,08. Já o maior valor foi observado em Quixadá, a R$ 6,18. Já o valor médio da gasolina aditivada caiu R$ 0,29, passando de R$ 6,02 para R$ 5,73 em uma semana. Entre os outros combustíveis, a maior queda foi do diesel, de 5,17%, passando de R$ 5,60 para R$ 5,31. Já a  menor foi a do Gás Natural Veicular (GNV), de 1,85%. Entre os dias 14 e 20, o preço médio do metro cúbico (m³) desse combustível custava R$ 4,41, passando para R$ 4,33 na última semana.

No último dia 15, a Diretoria Executiva da Petrobras aprovou sua estratégia comercial para definição de preços de diesel e gasolina. A nova política encerra a subordinação dos valores ao preço de paridade de importação. A partir de agora, as referências de mercado serão o custo alternativo do cliente como prioridade e o valor marginal para a Petrobras.

[ Mais notícias ]