Voltar ao topo

24 de julho de 2024

Por que o Metrofor não quer atrair mais passageiros?

Compartilhar:

Foto: Reprodução/Metrofor

O metrô é um dos modos de transporte urbanos mais eficientes. Pode transportar até 100 mil pessoas por hora, por sentido – para comparação, um corredor de ônibus transporta cerca de 20 mil, enquanto uma faixa mista para carros e motos não passa de 2 mil pessoas.

Acidentes são raros, além de ser muito seguro em relação à espera nas estações, que também contam mais conforto comparadas com os pontos de ônibus. Outra vantagem é que é um transporte sustentável, por utilizar eletricidade e não emitir gases poluentes na atmosfera.

Mas é muito caro, tanto para implantar, como para operar. Portanto, não vale a pena em trajetos com pouca demanda, pois teria pouca receita com passagem e geraria grandes custos ao poder público para funcionar. E onde já está implantado (ou em implantação), é desejável pensar em medidas para aumentar o número de passageiros e baratear a operação.

O Metrô de Fortaleza (Metrofor) possui atualmente 3 linhas, que apesar da boa extensão (chegam até as vizinhas Caucaia e Maracanaú), obviamente, não cobre todos os bairros da cidade, e opera em muitos horários com poucos passageiros.

As distâncias até as estações são muito extensas para quem não mora perto ir a pé. Para atender mais pessoas, seria necessária a integração modal, que não existe. Por exemplo, quem mora num bairro sem estação poderia pegar um ônibus até a estação mais próxima, se houvesse integração tarifária, com o Bilhete Único.

Seria possível ir pedalando até a estação, se houvesse bicicletários para deixar a bicicleta durante o dia. O alcance aumentaria ainda mais se fosse permitido transportar a bicicleta dentro dos vagões, para completar o trajeto no desembarque.

Ou se tivessem bicicletas compartilhadas disponíveis próximo das estações. A desculpa para não ter nenhuma destas soluções é que enquanto o Metrofor é gerido pelo governo do estado, outras questões são geridas pela prefeitura. Mas qual a dificuldade destas 2 gestões dialogarem, ainda mais quando fazem parte do mesmo grupo político?

[ Mais notícias ]