Voltar ao topo

18 de julho de 2024

Personalidades cearenses são homenageadas com a Medalha Abolição

O governador Elmano de Freitas (PT) enfatizou a importância da trajetória dos quatros homenageados, como o pai do ex-governador e ministro da Educação
Foto: Priscila Baima

Compartilhar:

A cerimônia da Medalha Abolição deste ano, medalha mais importante concedida pelo Governo do Estado em reconhecimento ao trabalho relevante de brasileiros para o Ceará e o Brasil, homenageou quatro personalidades cearenses que transformaram para melhor o âmbito jurídico, social, econômico e político da população cearense.

A principal honraria do Estado foi concedida a Dom José Aparecido Tosi Marques, arcebispo de Fortaleza; Katia Magalhães Arruda, ministra do Tribunal Superior do Trabalho (TST); Eudoro Walter de Santana, ex-deputado; e Vilmar Ferreira, fundador e presidente do Grupo Aço Cearense.

O governador Elmano de Freitas (PT) enfatizou a importância da trajetória dos quatros homenageados, como o pai do ex-governador e ministro da Educação, Camilo Santana (PT). “É uma honra muito grande poder estar aqui como governador a medalha mais importante do estado. Entregar para o Eudoro Santana, por exemplo, pela história que tem. É uma referência para mim e o que mais anima é a sua disposição para continuar construindo um Ceará melhor com 86 anos. São quatro pessoas que buscam por muita justiça em suas áreas”, comenta.

Questionado sobre o simbolo da medalha ser abolição atribuindo-se às lutas contra o racismo e mais inclusão de mulheres nas políticas públicas, o chefe do executivo salientou que pretende construir políticas afirmativas com mais justiça para aqueles que sempre tiveram poucas oportunidades, seja na educação, saúde e etc.

“Neste ano, nós vamos anunciar um processo participativo do nosso Plano Plurianual que vamos ter um corte de gênero e de raça. Talvez seja um dos poucos orçamentos do país que vai ter de maneira destacada a questão de gênero e de raça para termos uma política participativa muito intensa”, revela.

Elmano não quis falar sobre a decisão da PGE sobre a Taxa do Lixo, mas afirmou que a decisão foi técnica. “A manifestação da PGE é absolutamente técnico-administrativo. Em nenhum momento, tem manifestação política na matéria. Tem uma manifestação jurídica e o procurador-geral do Estado tem absoluta liberdade para manifestar o pensamento jurídico para o caso. O impacto político já foi a reação do Ministério Público. O nosso procurador foi convencido dos argumentos do MP, então eles estão tendo uma concordância jurídica”, acrescenta.

Por volta das 20h30, o ex-governador do estado, Camilo Santana (PT), chegou à solenidade que homenageia seu pai Eudoro. Cinco minutos depois, o senador Cid Gomes (PDT) também chega no local sem falar diretamente com a imprensa.

HOMENAGEADOS

O primeiro a receber a medalha na noite foi Dom José, que chegou ao Ceará em 1999 a pedido do Papa João Paulo II. “Eu vim para o Ceará há quase 25 anos por meio de uma missão dada ao Papa João Paulo II. Mas mais do que pensar em mim nesse momento em que recebo essa homenagem. Agradeço a Deus por ter me encaminhado para cá. É por isso que essa medalha eu recebo, eu não considero entregue a mim. Eu acho que essa medalha é para aqueles que junto comigo querem uma humanidade fraterna e digna ao lado de Deus. Nada eu teria feito só por mim mesmo”, diz.

Emocionada, a ministra do Tribunal Superior do Trabalho (TST) Kátia Arruda, contou um pouco da sua história até chegar onde chegou e enfatizou os sonhos realizados.

“Eu quero falar de sonhos que nos alimentam, nos revigoram e nos transformam. Quero falar de uma garotinha que saiu lá de Palmirim e cresceu em Fortaleza sonhando em ser juíza. Essa garotinha chegou até onde nunca imaginou, hoje ministra. A medalha é um símbolo de um povo forte. Sonho com um país onde meninas e meninos tenham oportunidades, um país digno e feliz para todas e todos os cearenses e brasileiros”, destacou a ministra.

A magistratura teve início na vida de Kátia Magalhães em 1990, quando foi aprovada em concurso público para atuar no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 16ª Região, no Maranhão. Na oportunidade, presidiu as Varas do Trabalho de Imperatriz e Caxias, e também as 1ª e 4ª Varas de São Luís. Em 2000, foi promovida a desembargadora do TRT 16ª Região, ocupando os cargos de corregedora, no período de 2003-2005, e de presidente, no biênio 2005-2007. Assumiu o cargo de ministra do Tribunal Superior do Trabalho em 27 de março de 2008.

O ex-deputado estadual Eudoro Santana mencionou a sua formação na Universidade Federal do Ceará (UFC) ao comentar o prêmio. “Dediquei grande parte da minha vida a trabalhar pelo Estado. Estive em várias organizações públicas e privadas. Mas, sempre com essa imagem de que era importante se dedicar a um trabalho da sua contribuição ao Estado, especialmente quando a gente consegue chegar a esse ponto pela universidade pública”, pontuou.

O empresário Vilmar Ferreira comentou sobre a contribuição do seu trabalho para a economia cearense, em mais de 40 anos do Grupo Aço Cearense. “A gente representa realmente o nosso Estado, uma empresa que gera empregos e renda. Isso a gente sente lisonjeado. É reconhecido e aumenta nossa responsabilidade para a gente agregar mais para o Estado”, relembra Vilmar.

A MEDALHA 

O nome de Medalha da Abolição faz alusão à Data Magna do Ceará. Em 25 de março de 1884, o jangadeiro Francisco José do Nascimento, o Chico da Matilde ou Dragão do Mar, mobilizou colegas a se insurgirem contra o transporte de escravizados para o Sul do país. Com o feito do jangadeiro, o Ceará se tornou o primeiro estado do Brasil a abolir o tráfico escravagista.

[ Mais notícias ]