Voltar ao topo

25 de julho de 2024

O sagrado direito de mentir para melhor passar

Estamos bem servidos e representados por super-heróis

Compartilhar:

O Lula não bebe, não é ladrão, nem é chefe de quadrilha. Nunca teve sítio em Atibaia, não teve nada com o Mensalão nem com o Petrolão. Madame Janja é mulher de fino trato e tem tudo para substituir aquele a quem chama de “meu boy” — seu homem e faixado (porque ganhou licitamente a presidência do maior, melhor, mais seguro país do mundo). Estamos bem servidos e representados por super-heróis, dotados de super-poderes e que quase podem voar: nossos homens de preto!

Estamos seguros com esses 11 guardiões da nossa respeitada Constituição. Temos o representante-mór desses guardiões, o mais sério deles, o afável e isento monocrático, o Imperador Alexandre de Moraes, o Calvo, querido por onde passa, aplaudido, ovacionado em qualquer parte do mundo. Essa história de dizer que ministro desse governo sério locupletou-se da calamidade que se abateu sobre o Rio Grande do Sul, é mentira, fuxiquento de invejosos. Não há nada que possa macular ou comprometer o governo central, dada a lisura de sua agenda, viagens e compras com o cartão corporativo, que de bom grado pagamos.

Não há ninguém mais honesto nesse país, como o exemplo de caráter e compostura que o Capitain Underwear. É lindo e contagiante ver o séquito presidencial envolvido com campanhas para acabar com as pendengas das guerras que pipocam aqui e ali. País e governo tão exemplares têm apenas uma falha: a inveja! Inveja de Cuba, por exemplo, e, por extensão, da Venezuela, berço da democracia e exemplo de povo feliz. Somos exemplo para o Universo e além, reclamamos de barriga cheia de boa picanha e cerveja. Nosso inquestionável respeito pela diversidade serviu de bom exemplo para novas e simpáticas escolhas para o ser diferente: temos novos humanos assumidos e aplaudidos como cachorros, gatos, galinhas, lagartixas, pintinhos e dinossauros saltitando por aí.

Somos um povo feliz que superou a intolerância, o radicalismo e onde o presidente pode caminhar por ruas e avenidas sem ser chamado de ladrão. Posso desafiar, de peito aberto, aqueles que acharem que estou mentindo. Viva a paz reinante no Oriente Médio, viva a Palestina e o exército pacífico do Hamas!

[ Mais notícias ]