Voltar ao topo

18 de julho de 2024

O que Cid viu e ouviu nos 10 Encontros Regionais do PDT

Compartilhar:

Cid Gomes (Foto: Reprodução/Facebook)

O senador Cid Gomes inova, a cada ano, nos processos de condução partidária. Conhecedor profundo de táticas políticas, como coordenador que monta as coligações para chapas proporcionais e majoritárias, na aliança de 18 partidos, escuta muito, detém o nome e potencial de cada liderança do Ceará na sua mente. É impressionante. Ele sabe como se movimentam os aliados e oposicionistas. Tem seu diagnóstico arquivado no cérebro e divide com poucos.

Na eleição em Fortaleza, lançou pré-candidaturas e promoveu debates e discussões pela internet sobre a capital cearense. Foi um sucesso. Sarto se saiu melhor, foi o candidato e venceu. Todos se envolveram e apoiaram. Agora, inseriu nos encontros regionais quatro pré-candidatos ao governo. Deu uma sacudida no PDT e aliados no sertão. Os eventos estão sendo transformados em importante fonte de informação sobre a situação do partido e aliados nos municípios. Cid ouve o que é bom, mas também os problemas causados pela ampla aliança, onde um adversário é votado pela base por conta das brigas.

O encantamento da política faz a festa no sertão, entre líderes e militantes. Os encontros do PDT, que serão encerrados nos dia 25 e 26 deste mês, em Sobral e Itarema, têm vários pedidos de adiamento para abril, quando o governador Camilo passaria a participar como grande aliado. Isso está em estudo, aqueceria o ambiente político nas regiões. Nos encontros anteriores, prefeitos do PT participaram, mesmo sem o convite formal. Camilo seria mais uma injeção de ânimo.

Uma das preocupações, até aqui, foi o avanço de opositores no litoral e Vale do Curu, por conta do racha na base, abrindo espaço para vitória de opositores. “Eu procuro evitar que a gente faça, nos encontros, embates internos”, ressaltou Cid, para desfazer a impressão de crise face a disputa entre os pré-candidatos. A frase é um ensinamento para dirigentes municipais.

Cid, em Paracuru, conversando com o Opinião, sobre escolha do candidato, foi taxativo : “Essa definição se dará muito mais por fatores extras PDT do que internos do partido”. A senha foi dada. Cid procura fechar as alianças para depois cuidar, de imediato, da chapa majoritária. Pressão não fará efeito. Veto não funciona. Os critérios serão popularidade e consenso.

Os passos de Izolda
A vice-governadora Izolda Cela, assume o governo no próximo dia 2 de abril. Já tomou duas decisões: escolheu o chefe da Casa Militar e não vai morar na residência oficial. Discreta, foi ao encontro do PDT em carro particular. “Ainda não defini quem fica comigo na Casa Civil e Chefia de Gabinete. As pessoas que estão lá são competentes”, declarou.

Domingos Filho segue influente na UVC
A União dos Vereadores do Ceará (UVC), presidida pelo vereador Toim Braga, é controlada pelo vice- governador Domingos Filho. Em Quixeré, onde ocorreu o 1º Encontro da entidade em 2022, cerca de 200 vereadores pediram para indicar Domingos Filho a vice-governador.

[ Mais notícias ]