Voltar ao topo

24 de julho de 2024

O que a sociedade de consumo não faz com pessoas em momentos de fé

Compartilhar:

Eis que entro com minha filha em um desses supermercados da grande Fortaleza para fazer umas comprinhas. Vendo aquela imensa variedade de chocolates, disse “Você quer um ovo de páscoa?” Ela já universitária comentou: “Está vendo aquele ovo de Páscoa? Quando eu era pequena custava R$ 30 e, agora, custa R$ 70.” Não fiz, em verdade, uma pesquisa para verificar e avaliar o valor do produto ao longo dos anos, mas, se compararmos o preço de um ovo de páscoa com o atual salário mínimo, sim, é muito caro. Caminhando entre aquelas estantes com tantas variedades de bombons, de chocolates de encher os olhos e o apetite, acreditem, muitos se quer tinha visto e nem tão pouco experimentado. Pensei “O que a sociedade de consumo nos tornou! Quantas crianças sonham e queriam ter acesso e deliciar essas guloseimas. Mas, e o dinheiro, como pagariam?”

Foto: Reprodução/Flickr

As crianças que não podem e as que têm acesso a essas delícias, sabem ao menos compreender a importância da Páscoa para os cristãos? Então, lembrei a pergunta que fiz a alunos na véspera do feriado: “E, aí gente, qual a mais importante celebração para os cristãos católicos, o Natal ou a Semana Santa?” E a situação ficou mais interessante quando reproduzi a mesma pergunta aos amigos e amigas da filhota que adentraram ao recinto. Pois é, nem a galera das salas de aula e nem os amigos dela sabiam responder.

Em verdade, a mais importante celebração não é o Natal, o nascimento de Jesus, mas, o Mistério Pascal que constitui a Semana Santa, a Paixão, Morte e Ressurreição do Senhor. Sim, pois sem a Ressurreição do Senhor não haveria sentido a pregação cristã. Ao contrário do que muitos pensam, o feriado nacional da Sexta-Feira Santa não é para as pessoas passearem, viajarem ou para o descanso, como explica, o padre Sóstenes Vieira, mas “para recolhimento e oração, meditando o sofrimento de Cristo por amor à humanidade.” Na sexta-feira às três horas, “ao ladrão que estava à sua direita, Jesus abriu as portas do Paraíso, na realeza de teu Pai.”

Jesus morreu na carne e despertou na mansão dos mortos. Mas os homens não param de criar guerras por dinheiro e poder e continuam a se matar em nome de Deus. Senhor, perdoai! Eles não sabem o que fazem.

[ Mais notícias ]