Voltar ao topo

20 de junho de 2024

O mundo do futebol chora: o adeus do Rei Pelé

Pelé terminou seus últimos dias amparado pela mulher, com o carinho dos filhos e rezando no quarto do hospital, em São Paulo
Foto: Reprodução/Facebook

Compartilhar:

Aos 82 anos, o melhor jogador de todos os tempos não resistiu a um câncer no cólon e deixou nesta última quinta-feira, 29, este mundo. Pelé estava internado no Hospital Albert Einstein, em São Paulo. Pelé terminou os seus dias amparado pela mulher, Márcia, com o carinho dos filhos e rezando no quarto do hospital, um hábito que sempre o acompanhou, mas que nos últimos tempos era quase uma obsessão. Pelé rezava com os médicos. Levou sua fé até o fim e a Deus nunca deixou de agradecer pelo dom dado sem pedir nada em troca.

Pelé iniciou tratamento contra um tumor no cólon em 2021. Ele deixa milhões de admiradores e seguidores nas redes depois de viver os últimos anos numa luta quase que diária com suas doenças. Ele deixa mulher e sete filhos. Os feitos de Pelé como jogador correram o mundo e se tornaram maiores do que ele próprio, um sujeito simples que gostava de reunir a família em volta da mesa aos domingos, de cantar e contar histórias. Sua fama o precede desde os 17 anos.

MAIOR DE TODOS
Aclamado “Rei do Futebol” e “Atleta do Século 20?, o ídolo brasileiro tinha fãs pelo mundo todo. Seu nome, ou apelido de quatro letras (PELÉ), era conhecido muito mais do que qualquer personalidade das mais diversas áreas e gerações, mais até do que presidentes, reis e rainhas, além dos papas. Pelé não precisava de legenda em suas fotos. Reza a lenda que nunca pediram passaporte para ele em suas inúmeras viagens. Sinônimo de saúde e vigor físico durante toda a sua carreira, Pelé vinha enfrentando problemas médicos nos últimos anos.

FAMÍLIA
Pelé nasceu Edson Arantes do Nascimento, na cidade mineira de Três Corações, no dia 23 de outubro de 1940, filho de dona Celeste Arantes, que no dia 20 de novembro deste ano (2022) completou 100 anos, e de João Ramos do Nascimento, mais conhecido como seu Dondinho. Pelé nasceu no mesmo dia do Aviador e da Força Aérea Brasileira – remonta ao dia em que Santos-Dumont voou com o 14-Bis. Pelé era um dos três filhos dos Arantes do Nascimento. Seu nome foi uma homenagem ao inventor da lâmpada, Thomas Edison. O pai era um grande jogador do futebol amador e o incentivou nos campinhos de futebol. Com apenas quatro anos, Edson se mudou com a família para Bauru, no interior de São Paulo, e lá ganhou o apelido que marcaria sua vida.

Em 1956, Pelé fez sua estreia no profissional. Marcou um gol na goleada por 7 a 1 no amistoso com o Corinthians de Santo André. Em pouco tempo, o novato já era titular. No ano seguinte, estreou com a camisa da seleção brasileira, quando novamente deixou sua marca logo de cara, na derrota por 2 a 1 para a Argentina, pela Copa Roca. O Santos e a seleção mudaram a vida de Pelé, e ele mudou a história do time da Baixada e do escrete nacional. Pelé mudou o futebol: Antes de Pelé, Depois de Pelé.

COPA DE 1958
Pelé sempre brilhou em estreias. Essa condição o acompanhou em sua primeira Copa do Mundo, em 1958, na Suécia, quando tinha 17 anos apenas. Era um moleque franzino e de cabelo estilo reco, raspado nas laterais. O presidente do Brasil era Juscelino Kubitschek. Tudo na sua vida foi precoce. Num ano ele estava no Santos. No outro, fazia sua primeira partida pela seleção.

E na temporada seguinte, lá estava Pelé em um Mundial da Fifa. Ele foi destaque na equipe brasileira em sua primeira conquista, aquela que abriu caminho para as outras quatro. Foi comandado pelo técnico Vicente Feola e esteve ao lado de lendas como Garrincha, Zagallo, Bellini e Vavá.

Pelé fez um dos gols mais bonitos do torneio na final contra a Suécia, com vitória por 5 a 2. Na Copa do Mundo do Chile, quatro anos mais tarde, Pelé já não era mais aquele menino desconhecido em meio a jogadores formados Pelé já era Pelé. Todos queriam vê-lo jogar. Sua lenda corria o mundo com as cores do Santos, que fazia muitas excursões, e da seleção campeã do mundo, mas ainda estava longe de ser uma celebridade como se tornaria mais tarde. Mas ele se machucou na segunda apresentação do Brasil naquele Mundial. Então, sob o comando de Garrincha, a seleção chegou ao bicampeonato. Pelé e Garrincha nunca perderam um jogo juntos.

Em alta na seleção, Pelé mantinha também a grande fase no Santos Ao lado de Pepe, Coutinho e tantos outros craques do clube da Baixada, levou a equipe paulista a dois títulos do Mundial da Fifa e outros dois da Libertadores da América, em 1962 e 1963. Não se cansava de ganhar o Paulistão quando os Estaduais tinham mais importância do que qualquer competição. Foram nove conquistas estaduais entre 1958 e 1969 e mais uma em 1973. Por onze vezes, Pelé foi artilheiro do torneio regional. Em 1958, marcou 58 gols. Boa parte dos seus 1.281 gols está registrada no filme Pelé Eterno, de 2004, dirigido por Anibal Massaini Neto, com roteiro de José Roberto Torero e Armando Nogueira.

Pelé se despediu da seleção em 1971 e do Santos logo em seguida, em 1974, mas ainda teria mais um desafio. Em 1975, aceitou convite do Cosmos de Nova York para reforçar a equipe e popularizar o futebol nos Estados Unidos. Tornou-se campeão americano de soccer em 1977, ano de sua aposentadoria definitiva. Descalçava as chuteiras para vestir os ternos. Assim, tornou-se ministro dos esportes no governo Fernando Henrique Cardoso. Assinou uma lei tão ou mais importante do que seus gols: a Lei Pelé, que libertava os jogadores das amarras contratuais dos clubes. Era o fim do passe e o começo dos direitos dos atletas.

Mesmo aposentado no fim dos anos 70, o futebol nunca sairia de sua vida. Pelé tornou-se presença frequente em jogos do Santos, programas televisivos e campanhas publicitárias, sempre apoiado pelo carisma e apelo popular. Viajou o mundo para levar sua marca e as marcas que o patrocinavam.

Chegou a se envolver em polêmicas familiares e discussões públicas com desafetos, como Maradona e Romário, mas nada que não se resolvesse com o tempo. Foi gentil ao mandar flores na morte do argentino, quem mais perto esteve de sua coroa. Disse ter perdido um amigo quando Diego morreu em novembro de 2020. Dois anos depois, chegou a sua hora. Ele deixa esse mundo com uma única certeza, de que seu nome será cultuado para sempre. O Brasil perde seu Rei.

Estadão Conteúdo

[ Mais notícias ]