Voltar ao topo

24 de julho de 2024

O desafio do título

Compartilhar:

A Justiça Eleitoral segue até 4 de maio com a expedição de títulos para votação ainda neste ano. A data serve para documentos novos ou para a transferência de domicílio. Serve, ainda, para a regularização de pendências. Nesse contexto, deve-se observar com atenção especial a importância de se chegar ao público jovem – o grupo de 16 e 17 anos de idade, vital para a democracia. É que esse eleitorado vem sendo bombardeado cruel e impiedosamente pela deletéria antipolítica, aquela argumentação estúpida de que “todos são corruptos, todos são farinha do mesmo saco” e que nivela por baixo o pensamento, a vontade e as decisões populares. É um grave atentado contra os direitos sociais, armado com a mais letal ignorância. Combater essa mazela moral é tão importante quanto imunizar contra doenças do corpo. Mas quem pode se opor a vacinas?

Verde-oliva e azul
Não há nada, absolutamente nada, que defenda as Forças Armadas brasileiras do fato de terem comprado 35 mil comprimidos contra disfunção erétil – isso dá, em média, um para cada 10 militares, sejam homens ou mulheres. Nada mesmo. Pode-se até alegar que os remédios são também usados em tratamentos de doenças como fibrose cística, mas não há demanda nas corporações para quantidade tão grande. Bons tempos em que picanhas, maminhas e chuletas serviam para piadas de caserna.

Braço forte, mão amiga (ou “pagando mico”)
Mas é possível, no entanto, que o desejo político do governo Bolsonaro de desmoralizar o Exército, a Marinha e a Aeronáutica seja tão rígido que o faz irracionalmente inspirar todo tipo de gracejo nas redes sociais. Se sim, conseguiu-se impor o ridículo mais uma vez. Afinal, nunca se viu tanta chacota com militares como nos últimos dias.

Aquilo roxo
O deputado Leonardo Pinheiro (PP) quer inserir no Calendário Oficial de Eventos do Ceará a campanha “Março Roxo”. Diferentemente do que os maliciosos possam imaginar, não há relação com a folclórica e ridícula bravata machista do ex-presidente Fernando Collor de Melo. É, na verdade, alusão a atividades de conscientização sobre a epilepsia. É sério, portanto.

Olhar
A Prefeitura de Fortaleza vai escolher 40 propostas de artistas plásticos para fazer paineis de cerâmica em escolas públicas. Serão produzidos 40 painéis – que ficarão em 27 unidades municipais e 13 estaduais. Cada peça receberá prêmio de R$ 1,5 mil, somando R$ 60 mil. A Vice-Prefeitura está cuidando dos procedimentos, visando a cumprir a chancela Fortaleza Cidade Criativa do Design, concedida pelo órgão da ONU em 2019.

[ Mais notícias ]