O Ceará é um estado com vasta área litorânea

Compartilhar:

Temos excelência em atividades impulsionadas pela riqueza marítima. Os setores pesqueiro e turístico se destacam. O mar cearense atrai visitantes de várias partes do mundo. Temos praias no topo do hall de destinos de viagens. Jericoacoara é um exemplo.

No setor produtivo, temos a aquicultura e a pesca que fazem parte da gastronomia regional e alimentam também o sustento de várias famílias. O mar é ainda a rota de entrada e saída de mercadorias que deixam e chegam ao nosso Estado. Os portos do Mucuripe e Pecém lideram esse tráfego. Diante desse potencial vem a pergunta: os cearenses têm conhecimento de tudo isso? Preparamos mão de obra local para esse mercado? A Cultura Oceânica precisa de espaço e a semente deve ser plantada cedo, na escola.

A pioneira nessa iniciativa foi a cidade de Santos, em São Paulo, que aprovou, em 2021, a primeira lei do mundo nesse sentido. No Ceará, três municípios do Litoral Oeste decidiram aderir e aprovaram recentemente leis para inserir a Cultura Oceânica nos currículos escolares. Acaraú, Itarema e Camocim somam juntos 132 escolas de ensino infantil e fundamental que são administradas pelas prefeituras.

Mais de 29 mil crianças e adolescentes vão estudar o nosso oceano. A iniciativa tem apoio da Capitania dos Portos do Ceará. De acordo com o Capitão de Mar e Guerra Anderson Pessoa Valença, “a aprovação das leis impulsionará a divulgação de todas as atividades voltadas ao mar nas escolas municipais, o que fomentará, de modo acadêmico e sistemático, o conhecimento sobre a cultura oceânica para a população deste estado”.

Fortaleza e Caucaia serão os próximos municípios a implantar a iniciativa, que deve ser ampliada também em outros estados brasileiros. O país possui 10,9 mil quilômetros de litoral e 279 municípios estão
de frente para o mar, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE). A Cultura Oceânica em sala de aula vai fortalecer essa riqueza marinha e oferecer a crianças e adolescentes a possibilidade de abraçar uma das várias possibilidades de profissionalização na terra onde vivem e “além mar”.

[ Mais notícias ]