Voltar ao topo

24 de julho de 2024

João Paulo Silva reconhece problemas financeiros do Ceará, mas diz que clube não está falido

Pronunciamento do dirigente alvinegro deixou a torcida ainda mais desconfiada. A maioria dos torcedores considera que João Paulo Silva "falou muito e não disse nada"
Presidente alvinegro João Paulo Silva garante que o elenco está fechado e focado nos objetivos desta temporada. Foto: Reprodução/ Vozão TV

Compartilhar:

Após as cobranças de dívidas na Justiça chegarem ao conhecimento do torcedor, o presidente do Ceará, João Paulo Silva, declarou na noite desta terça-feira (23) que reconhece-as e que está fazendo de tudo para honrar os compromissos, dentro do que foi planejado para esta temporada. Ressaltou que o Ceará não é uma massa falida e que não de trata de manobra de SAF. Disse que tem opinião formada sobre SAF, porém nunca levou isso ao Conselho Deliberativo do clube.

O gestor alvinegro disse ter ficado surpreso com a cobrança judicial por parte de dos atletas Barletta e Saulo Mineiro, entretanto salientou que o Departamento Jurídico do Vozão está cuidando de tudo. Disse ainda que não pode entrar em detalhes sobre o caso por estar em segredo de Justiça. Acrescentou que o clube pagou R$ 2,2 milhões, porém salientou que o Ceará detém 50% dos direitos econômicos do atleta.

DIREITOS DE TRANSMISSÃO e FLORESTA

Sobre a dívida relativa ao direitos de transmissão aos atletas, o presidente alvinegro falou que é verdade, todavia está comprometido a honrar também esse compromisso. Ele justificou que o time foi rebaixado, em 2022, para a Série B do ano passado. Isso fez que com que houvesse uma queda de receita e a consequência foi o clube ficar devendo a alguns atletas parte das temporadas de 2022 e 2023.

Com relação ao que o Ceará deve ao Floresta, no valor de R$ 1.896.551,32, envolvendo o atleta Marcos Victor, que foi vendido ao Bahia, o presidente João Paulo Silva reconheceu que o Ceará não honrou o que tinha acertado com a diretoria do Verdão da Vila Manoel Sátiro. Embora reconheça que o clube credor tem o direito de entrar na Justiça, o dirigente do Vozão disse que vai pagar o que deve nos próximos dias. esperando, dessa forma, que a judicialização não prossiga.

O dirigente alvinegro lembrou que o Ceará tem 40% dos direitos econômicos de Marcos Victor, que foi vendi ao Grupo City da Inglaterra. O meia Zé Roberto cobra R$ 800 mil referentes a salários atrasados, 13º salário, férias, FGTS e direito de imagem. Emprestado ao Sport/PE, Zé Roberto tem vínculo com o Ceará até o final deste ano, entretanto o jogador quer também a rescisão de contrato.

PROFUT

João Paulo Silva assegurou que o Ceará não está excluído do Programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol (Profut). Atualmente, o Vozão tem dívida de R$ 46 milhões em tributos. O dirigente informou que apresentou um plano de parcelamento de dívidas onde o clube deve sanar tudo em 150 meses, ou seja em 12 anos e 6 meses. Segundo ele, o plano de parcelamento foi aprovado pelo Conselho Deliberativo.

Ele reconhece que a cobrança é muito grande, principalmente por conta da imensa torcida. Disse que está tentando uma solução e que acredita que tudo será resolvido com total responsabilidade e transparência.

O momento é desafiador, mas sempre trabalhamos com responsabilidade e respeito a todos que fazem o Ceará. Estive reunidos com todos os jogadores. O elenco está fechado com a diretoria e focado nos objetivos da temporada“, finalizou.

Nas redes sociais, a resposta por parte dos torcedores não foram boas. A maioria considerou que o presidente alvinegro falou muito e não disse nada. Além dos problemas financeiros, o clube enfrenta a desconfiança da torcida, principalmente depois que o time empatou por 1 a 1 com o Maracanã na estreia do Cearensão 2023.

[ Mais notícias ]