Voltar ao topo

23 de julho de 2024

Instituto francês planeja pesquisas no Nordeste com órgãos cearenses em comitê

Divulgação/IRD

Compartilhar:

Ocorre, nesta terça-feira, 10, uma reunião entre o Instituto Francês de Pesquisa para o Desenvolvimento (IRD), sediado em Marseille (França), e outros órgãos nordestinos, com predominância cearense, sobre estudos a serem realizados na região nos próximos cinco anos. O Comitê Diretor Estratégico (CPSS) do IRD no Brasil é realizado na sede do Instituto de Ciências do Mar (Labomar), da Universidade Federal do Ceará (UFC).

O momento representa uma internacionalização das pesquisas em cooperação com órgãos locais. Além da própria UFC, estarão presentes representantes da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), da Wireless Telecommunications Research Group (GTEL/UFC), da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), da Universidade Regional do Cariri (Urca), da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funcap)e da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

Do outro lado, participam a Diretora Geral Adjunta do IRD, Sra. Corinne Brunon-Meunier e a Diretora do Departamento de Relações Internacionais e Européias, Sra Claude-Anne Gauthier. O IRD está presente no Nordeste desde o final da década de 1960. Esta região é caracterizada por uma elevada vulnerabilidade aos riscos climáticos, bem como pela sua fachada no Atlântico tropical, cuja estrutura física e biológica é ainda pouco conhecida, apesar das implicações no equilíbrio climático regional e global.

O instituto desenvolve projetos de pesquisa que respondem à demanda dos diversos atores, incluindo as populações. Entre as temáticas, pesquisadores franceses e brasileiros estudam os solos, a variação de chuvas, os eventos extremos como secas, se focam sobre a estrutura social para ajudar a reduzir as desigualdades, e também trabalham sobre questões de gestão do ambiente marinho, para melhor conservar a biodiversidade aquática, sem impedir o desenvolvimento do território.

Um dos temas que o IRD e as equipes nordestinas estão desenvolvendo, é o monitoramento do clima e da precipitação usando redes de telecomunicações, uma tecnologia que requer a possibilidade de acesso a dados das operadoras de telefonia móvel na região.

Com Funceme

 

[ Mais notícias ]