Voltar ao topo

25 de julho de 2024

Halleluya e Fortal 2022 serão monitorados por equipe técnica de vigilância em saúde do Estado

A atividade de rotina em espaços com aglomeração é necessária para um acompanhamento em tempo real do acontecimento de doenças.
Foto: Reprodução

Compartilhar:

Dois grandes festivais realizados em Fortaleza nesta semana, o Halleluya (a partir desta quarta-feira, 20) e o Fortal (a partir desta quinta-feira, 21), serão monitorados de perto com foco em vigilância e emergências em saúde, segundo informações da Secretaria da Saúde (Sesa) do Ceará. De acordo com a pasta, a atividade de rotina em espaços com aglomeração e grande circulação de pessoas é necessária para um acompanhamento em tempo real do acontecimento de doenças ou cenários epidemiológicos que requeiram uma resposta rápida dos agentes públicos.

O monitoramento é de responsabilidade de um grupo técnico composto pelo Centros de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Cievs) da Sesa, Estadual, e da Superintendência de Saúde de Fortaleza e da Secretaria Municipal de Saúde (SMS). Os centros desenvolvem atividades de preparação e resposta antes, durante e após a ocorrência desses festivais. O monitoramento será realizado por um período de até 21 dias após o último dia dos eventos, em decorrência do período de incubação de algumas doenças.

“Tanto o Halleluya quanto o Fortal terão dois Postos Médicos de Atendimento (PMAs) cada. Essas estruturas contarão com uma dupla de técnicos da Vigilância Epidemiológica Estadual”, explica Sarah Mendes, secretária executiva de Vigilância em Saúde da Sesa.

“A proposta é fazer o monitoramento de doenças que possam se propagar rapidamente, como covid-19, monkeypox, reintrodução do sarampo, sinais e sintomas de doenças de transmissão alimentar para detectar surtos.”

Os dados serão coletados no local através de um link que gera informações para um painel automático de acompanhamento de cada ameaça. “Esse monitoramento em tempo real possibilita tomadas de decisão efetivas diante da ocorrência de alguma emergência”, pontua a secretária.

[ Mais notícias ]