Voltar ao topo

23 de junho de 2024

Ex-prefeito de Pacatuba, Carlomano Marques, anuncia rompimento com atual prefeito, seu sobrinho

O atual gestor assumiu o Executivo do município após Carlomano renunciar no mês de fevereiro deste ano; ele já estava afastado do cargo há 11 meses anteriormente à renúncia e chegou a ser preso em novembro de 2023
Rafael Marques e Carlomano Marques, sobrinho e tio, respectivamente, foram eleitos vice e prefeito em chapa para o Executivo de Pacatuba, em 2020. Foto: Reprodução

Compartilhar:

O ex-prefeito do Município de Pacatuba, Carlomano Marques (MDB), anunciou nesta terça-feira (23) rompimento político com o prefeito do município, Rafael Marques (PSB). O atual gestor é sobrinho de Carlomano, e foi eleito para vice na chapa do tio, em 2020. “Não existe mais nenhum laço político-partidário entre a minha pessoa e o prefeito Rafael Marques”, escreveu o emedebista em suas redes sociais. Ele disse ainda que seus opositores quiseram fazer dele “o que a Erika fez com o Tio Paulo”, em alusão ao vídeo que ganhou repercussão nesta última semana, em que uma mulher levou o tio já morto a uma agência bancária para sacar empréstimo.

Ainda como destacou o ex-gestor, ele está livre para lançar ou apoiar outra candidatura. “Pela lealdade que tenho ao povo, em especial ao pacatubano, informo que esta decisão foi tomada porque quiseram fazer comigo o que a ‘Erika fez com o Tio Paulo’”. Segundo Carlomano, uma reunião visando o anúncio de uma nova composição de aliança para as eleições deste ano no município ocorrerá ainda nesta terça.

“Me reunirei hoje com o deputado estadual Daniel Oliveira [MDB], para juntamente com o presidente estadual do partido, deputado federal Eunício Oliveira, definirmos o rumo do MDB em Pacatuba”, completou.

INVESTIGAÇÃO, PRISÃO E RENÚNCIA

O prefeito eleito para a Prefeitura de Pacatuba em 2020 anunciou a sua renúncia ao Executivo municipal no último mês de fevereiro. No entanto, antes do anúncio, ele já não estava exercendo o cargo, já que estava afastado há 11 meses. Por decisão judicial, ele passou o período fora da Prefeitura. Carlomano apresentou recursos, mas todos foram negados. Em novembro do ano passado, ele chegou a ser preso durante operação deflagrada pelo Ministério Público do Ceará (MPCE).

Em abril de 2023, a Justiça determinou o afastamento de Carlomano por 180 dias, sob acusação de integrar um esquema de corrupção na cidade da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF). Ao tomar conhecimento da decisão judicial, o então prefeito passou mal e teve de ser internado, ficando sob escolta policial até receber alta médica.

Carlomano é alvo de ação do MPCE por improbidade administrativa. Conforme investigações, após instauração de inquérito civil, foi identificada perda no valor de R$ 21,8 milhões do Instituto de Previdência de Pacatuba no exercício financeiro de 2020. Também em suas redes, nesta terça, o ex-gestor informou que vai “esmiuçar” o “rombo” nas próximas semanas, inclusive no qual deverá citar os seus autores “intelectuais e materiais”.

[ Mais notícias ]