Voltar ao topo

16 de julho de 2024

Ex-diretor-geral da PRF depõe à CPMI do 8 de janeiro nesta terça-feira (20)

Conforme informações do Senado, o depoimento terá o objetivo de explicar as blitz ocorridas em rodovias federais em 30 de outubro de 2022, dia do segundo turno das eleições majoritárias
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Compartilhar:

A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do 8 de Janeiro começa a série de oitivas na terça-feira, 20, às 9h, com o depoimento do ex-diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Silvinei Vasques. O ex-policial será inquirido como testemunha, a partir de requerimento apresentado pela relatora do colegiado, senadora Eliziane Gama (PSD-MA). A reunião será realizada no plenário 2 da Ala Nilo Coelho, no Senado.

Entre os componentes da Comissão, estão quatro cearenses: os senadores Cid Gomes (PDT) e Eduardo Girão (Novo) – como titulares – e Augusta Brito (PT), como suplente; e o deputado federal André Fernandes (PL), como titular. O senador Cid Gomes é também vice-presidente da CPMI.

Conforme informações do Senado, o depoimento terá o objetivo de explicar as blitz ocorridas em rodovias federais em 30 de outubro de 2022, dia do segundo turno das eleições majoritárias. À época, foi noticiado que a PRF fez diversas barreiras para dificultar a locomoção de eleitores. Os bloqueios ocorreram principalmente na região Nordeste, que concentra a maior parte dos eleitores do então candidato à Presidência Luiz Inácio Lula da Silva.

Além disso, outra questão discutida na oitiva serão os atos ocorridos em dezembro de 2022. Investigado por improbidade administrativa em razão da acusação de pedir votos por meio de rede social para o ex-presidente Jair Bolsonaro, Vasques se aposentou no final do ano passado. Ele estava à frente da PRF desde abril de 2021.

“Tal como proposto no plano de trabalho apresentado a esta comissão, pretende-se que as nossas atividades se iniciem com a dissecação dos fatos que norteiam importantes datas, consubstanciadas em oitivas e requerimentos de informações, a partir das quais se espera, como natural desdobramento, a investigação dos demais fatos elencados no requerimento que embasou a instauração desta CPMI”, afirmou a relatora em justificativa.

REQUERIMENTOS

Ainda na terça-feira, a CPMI deve analisar 21 requerimentos. Entre eles, a convocação do ex-ministro chefe do GSI, general Marco Edson Gonçalves Dias; do ex-diretor da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Saulo Moura da Cunha; e de Renato Martins Carrijo, perito da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), responsável pela elaboração do laudo sobre o exame do local onde foi encontrado artefato explosivo próximo ao Aeroporto Internacional de Brasília, no dia 24 de dezembro.

Nesta quinta-feira, 22, a CPMI do 8 de janeiro se reunirá, a partir das 9h, para inquirir duas testemunhas relacionadas ao atentado a bomba próximo ao aeroporto brasiliense. Além de George Washington de Oliveira Sousa, condenado por participar do atentado, será ouvido o perito responsável pela elaboração do laudo da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), Valdir Pires Dantas Filho. Com esse requerimento, a relatora “pretende investigar a cronologia dos fatos e sua correlação com os ataques”. 

Na primeira parte da reunião, o perito prestará depoimento na condição de autoridade responsável pela condução das investigações policiais sobre o ocorrido no dia 24 de dezembro. Após a oitiva do perito, a CPMI vai inquirir George Washington de Oliveira Sousa. O extremista foi preso horas após a polícia ter recolhido os explosivos. George segue preso e é um dos três condenados pela 8ª Vara Criminal de Brasília por planejar o atentado à bomba. 

Também estão na pauta requerimentos para a requisição ao STF de todos os documentos, processos e inquéritos decorrentes das investigações dos atos ocorridos no dia 8 de janeiro de 2023. Outro requerimento pede que o Ministério Público Federal compartilhe informações referentes aos processos, inquéritos e investigações que tramitam no STF e nas instâncias inferiores, seja para apurar responsabilidades civis, seja criminais.

[ Mais notícias ]