Voltar ao topo

16 de julho de 2024

Enel reconhece que índice de reclamações mostra necessidade de ações preventivas

Durante a reunião, foram debatidas as reclamações dos consumidores registradas no Procon e Decon, além dos problemas relacionados aos serviços da Enel em obras privadas
Foto: Reprodução/CMFor/Mateus Dantas

Compartilhar:

Durante audiência com representantes da Enel nesta semana, a empresa reconheceu que os índices de reclamação contra a companhia não são satisfatórios e que é preciso avançar na melhoria dos serviços. Na última quarta-feira, 21, ocorreu uma reunião da Comissão Temporária responsável por acompanhar a prestação de serviços da Enel, Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece) e operadoras de internet na Câmara Municipal de Fortaleza. Durante o encontro, foram debatidas as reclamações dos consumidores registradas no Programa de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon) e Programa Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor (Decon), direcionadas à Enel.

Representando o Decon, Hugo Xerez destacou o elevado número de reclamações e enfatizou que a Enel presta um serviço insatisfatório. Ele mencionou situações em que os consumidores relatam que as contas não chegam e, posteriormente, recebem duas faturas. Caso o pagamento não seja efetuado, a Enel realiza o corte e o consumidor ainda precisa arcar com as despesas de religação.

Já segundo Osvaldo Férrer, diretor institucional da Enel, a Companhia busca ouvir as demandas da população com o objetivo de melhorar as atividades e oferecer um serviço de qualidade. “Estamos aqui para entender as necessidades da população e identificar áreas em que podemos aprimorar nossos serviços. Essa é uma oportunidade de conhecer esses pontos e trabalhá-los dentro da empresa”.

O ouvidor da empresa, Rizonaldo Paes, ressaltou que, embora os índices de reclamação não sejam satisfatórios, a empresa trabalha em melhorias, especialmente no setor elétrico. “Foram discutidos aqui pontos como consumo elevado, corte indevido e faturas com o mesmo vencimento. É importante ressaltar que a Ouvidoria realiza fóruns semanais na busca por reduzir as reclamações”.

VEREADORES

O presidente da Comissão, o vereador Lúcio Bruno (PDT), ressaltou a importância da criação da Comissão para garantir os direitos dos consumidores em Fortaleza e afirmou que, caso não haja melhora, serão buscados meios legais para que a Enel cumpra seu contrato de concessão com o povo da cidade. Entre as principais queixas apresentadas pelos consumidores, Lúcio destacou a cobrança de multas por autorreligação, aumento no consumo, corte indevido e faturas com vencimento simultâneo.

O vereador Gabriel Aguiar (Psol) chamou a atenção para os dados registrados na Agência Reguladora do Estado do Ceará (ARCE), que apontaram mais de 20 mil reclamações entre os anos de 2020 e 2021. Aguiar ressaltou a necessidade de entender como a empresa enxerga essa situação e como planeja lidar com ela de maneira efetiva, considerando que a demanda existe há alguns anos.

Participaram da reunião os vereadores Lúcio Bruno (PDT), Adail Júnior (PDT), Júlio Brizzi (PDT), Gabriel Aguiar (Psol), Jorge Pinheiro (PSDB) e Wellington Sabóia (PMB). Além deles, estiveram presentes também Hugo Vasconcelos, promotor do Decon; Dra. Amelia Rocha, representando a Defensoria Pública; Flávio Aragão, usuário do serviço público; Rebeca Silveira, representando a Agência de Fiscalização (Agefis); Dr. Alexandre Acioly, representando o Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado do Ceará (Sinduscon-CE); Airton Melo, representante jurídico do Procon; e Aline Vilar, procuradora da Câmara Municipal de Fortaleza.

[ Mais notícias ]