Voltar ao topo

14 de julho de 2024

Economias regionais tiveram desempenho heterogêneo no 4º semestre, afirma IBCR

Compartilhar:

Levantamento indica que agricultura apresenta perspectiva positiva para este ano, apesar das condições climáticas adversas na Região Sul. Dados foram divulgados ontem pelo Banco Central

Levantamento analisa diversos setores, entre eles o do comércio (Foto: Natinho Rodrigues)

A atividade econômica brasileira registrou acomodação no quarto trimestre de 2021, mas com “divergência de resultados” entre os setores, segundo o Boletim Regional, divulgado nesta terça-feira, 22, pelo Banco Central (BC). O relatório diz que o setor de comércio registrou nova retração no trimestre e que o de serviços manteve trajetória positiva, enquanto a produção industrial registrou estabilidade.

O levantamento indica que a agricultura apresenta perspectiva positiva para 2022, apesar das condições climáticas adversas na Região Sul. Tendo por base o Índice de Atividade Econômica Regional (IBCR), o levantamento avalia que as economias regionais apresentaram “desempenho heterogêneo no quarto trimestre”, em uma comparação entre o período outubro a dezembro de 2021 com julho a setembro do mesmo ano.

O Norte foi o que apresentou a maior queda (-1%), enquanto a maior alta ficou com o Centro-Oeste (0,9%). Nordeste e Sul tiveram crescimento (0,3%) e Sudeste apresentou queda (-0,4%). O Nordeste manteve, no último trimestre de 2021, ritmo de crescimento semelhante ao observado no trimestre anterior, “com expansão na indústria de transformação e retração dos serviços e comércio”.

Foi observado que, no caso do mercado de trabalho, o crescimento regional registrado em 2021 foi “insuficiente para retorno da atividade ao nível pré-pandemia”. A evolução favorável da construção contribuiu para a atividade regional, com geração de 41 mil postos de trabalho no ano.

A análise indica também que o Nordeste foi impactado pela interrupção e posterior retomada do auxílio emergencial no primeiro semestre. “No primeiro trimestre, o desempenho positivo da agricultura e da construção compensaram o efeito contracionista da interrupção do auxílio emergencial. No segundo, a expressiva queda da produção industrial foi o principal determinante da variação negativa do IBCR”, detalha o boletim. (Agência Brasil)

[ Mais notícias ]