Voltar ao topo

18 de julho de 2024

Deputado federal cearense defende criação de lei para proibir o abate de jumentos

Encontro foi marcado por declarações de alerta sobre o risco de extinção dos jumentos e para a exploração e sofrimento aos quais são submetidos. Muitas vezes, os animais são mantidos em espaços pequenos, em condições precárias, sem água e comida
Foto: Divulgação/Detran

Compartilhar:

A Comissão de Meio Ambiente da Câmara dos Deputados realizou audiência pública para debater a proibição do abate de jumentos no Brasil. O evento, presidido deputado federal cearense Célio Studart (PSD-CE), contou com a presença de membros do Governo Federal, ONGs, OAB e sociedade civil organizada. Nas exposições, um apelo pelo fim da matança dos animais. “É preciso que esta casa retome essa pauta, tanto nas comissões quanto no plenário, para que possamos por fim a algo que infelizmente ainda não conseguimos pelo Poder Judiciário. A luta será em todos os campos”, afirmou o parlamentar cearense.

Em 2020, o Célio Studart ingressou com uma ação popular na Justiça Federal para anular a Portaria 13/2020, da Agência de Defesa Agropecuária do Estado da Bahia (Adab), que disciplina os procedimentos para controle e fiscalização do trânsito intra estadual de equídeos para abate. Em 2022, a ação foi considerada improcedente, mas o parlamentar recorreu.

O encontro foi marcado por declarações de alerta sobre o risco de extinção dos jumentos e para a exploração e sofrimento aos quais são submetidos. Muitas vezes, os animais são mantidos em espaços pequenos, em condições precárias, sem água e comida. A bióloga Patrícia Tatemoto, da organização The Donkey Sanctuary, apresentou dados do Ministério da Agricultura apontando que só no Brasil, em 2021, foram cerca de 6 mil animais abatidos por mês. “Ocorre até 20% de perda antes dos animais chegarem aos abatedouros e esses dados que nós temos de 73 mil animais abatidos são os contabilizados após serem mortos dentro doa abatedouros. Nós temos que somar esses números de perda aos números oficiais para entender de fato quantos animais morrem por ano”, explicou.

Já a diretora do Fórum Nacional de Proteção Animal, Vânia Plaza, lembrou que, para além do sofrimento desses animais, o risco sanitário dessa prática é muito grande, pois não são seguidas as diretrizes do Programa Nacional de Sanidade dos Equídeos. “No caso de Itapetinga, que foi o primeiro, os animais morriam e ficavam dentro da fonte de água que abastecia o município. Então, todo tipo de contaminação que eventualmente existissem naqueles animais passou a ser um risco para a população que consumia a água”, destacou.

Uma das principais causas do abate indiscriminado é a exportação da pele para a China, que fabrica o “ejiao”, produto obtido por meio da fervura do couro de jumento, largamente utilizado como tônico e medicamento pelos chineses, mas sem comprovação científica de eficácia.

Também fizeram exposições os convidados Yuri Lima Fernandes, advogado animalista; Arthur Regis, presidente da Comissão Defesa dos Direitos Animais da OAB/DF; Gislane Brandão, advogada e membro da Frente Nacional de Defesa dos Jumentos; e Vanessa Negrini, coordenadora de Departamento de Direitos Animais do Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima.

[ Mais notícias ]