Voltar ao topo

14 de julho de 2024

Deputado Cláudio Pinho faz provocação sobre ICMS na tribuna da Alece

Na ocasião, o deputado do PDT rebatia críticas de petistas à gestão do prefeito de Fortaleza José Sarto e à Taxa do Lixo
Em provocação ao governador, Cláudio Pinho (PDT) exibe cartaz com pedido de revogação do ICMS. Foto: Reprodução TV Assembleia

Compartilhar:

Enquanto usava o seu tempo na tribuna da Assembleia Legislativa do Ceará (Alece) nesta quinta-feira, 13, o deputado Cláudio Pinho (PDT) exibiu uma cartaz com a frase “revoga aumento do ICMS”, em provocação ao governo do estado. Na ocasião, o parlamentar rebatia críticas de nomes do PT à gestão do prefeito de Fortaleza José Sarto (PDT) e à Taxa do Lixo.

As diferenças entre o governador Elmano de Freitas (PT) e o prefeito da Capital tem divido também os deputados da Assembleia cearense. Claudio Pinho, ao lado de Antônio Henrique e Queiroz Filho, faz parte do grupo do PDT mais alinhado a Sarto e ao ex-prefeito Roberto Claudio e, nesse sentido, faz oposição ao governo no Legislativo estadual.

Na votação do aumento da alíquota do ICMS, em fevereiro, o trio votou junto com a bancada de oposição contra a medida e não poupou críticas ao governador petista. Cláudio Pinho, por sua vez, chegou a apresentar um recurso para escalonar o aumento da alíquota em dois anos, mas foi rejeitado pela maioria dos parlamentares.

Na Alece, deputados egressos da Câmara Municipal de Fortaleza (CMFor) têm trazido a tona o debate sobre a Taxa do Lixo de Fortaleza. A discussão é protagonizada principalmente pela deputada Larissa Gaspar (PT) e pelo deputado Antônio Henrique (PDT), que ainda atuavam no Legislativo municipal quando a proposta foi apresentada pelo prefeito Sarto. Para engrossar o debate, também participa o deputado Guilherme Sampaio (PT), que atualmente ocupa assento na Casa na vaga do deputado licenciado Fernando Santana (PT).

Na última quarta-feira, 12, Sampaio usou a tribuna da Casa para projetar ações contra a Taxa do Lixo. “A ideia, além das iniciativas judiciais e denúncias que fizemos durante a tramitação da matéria na Câmara, é buscar o Ministério Público, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e fortalecer movimentos espontâneos que estão surgindo, além de petições públicas, que expressam a insatisfação da população e defendem a revogação imediata da taxa”, elencou o petista.

 

[ Mais notícias ]