Voltar ao topo

16 de julho de 2024

CPI para investigar apostas esportivas é instalada na Câmara com presença de cearenses

De acordo com investigações do Ministério Público de Goiás (MPGO), em abril resultados em seis jogos da Série A do Campeonato Brasileiro de Futebol de 2022 foram manipulados.
Foto: Reprodução/Câmara dos Deputados

Compartilhar:

A comissão parlamentar de inquérito para investigar apostas esportivas foi instalada nesta terça-feira, 23, com a presença de três cearenses: André Figueiredo (PDT), Yury do Paredão (PL) e Danilo Forte (União Brasil. O pedetista também está na primeira vice-presidência da CPI. A comissão está marcada para começar às 15h. De acordo com investigações do Ministério Público de Goiás (MPGO), em abril resultados em seis jogos da Série A do Campeonato Brasileiro de Futebol de 2022 foram manipulados.

Além disso, partidas de campeonatos estaduais também estão sob investigação. De acordo com o MPGO, os atletas envolvidos receberiam entre R$ 70 mil e R$ 100 mil por pênaltis cometidos, escanteios e cartões amarelos e vermelhos nas partidas. A manipulação de resultados daria vantagem a apostadores. 

As operações foram conduzidas pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e pela Coordenadoria de Segurança Institucional e Inteligência (CSI) do estado. O deputado Julio Arcoverde (PP-PI) é o presidente da comissão. Os deputados Daniel Agrobom (PL-GO) e Ricardo Silva (PSD-SP) são respectivamente segundo e terceiro vice-presidentes. O requerimento de criação da CPI é de autoria do deputado Felipe Carreras (PSB-PE), que também será o relator da comissão.

CPI DO MST

Também nesta terça-feira, 24, foi instalada a CPI para investigar atuação do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). O grupo não conta com a presença de cearenses. A primeira sessão da comissão do MST está prevista para iniciar os trabalhos às 14h. No requerimento de criação, os parlamentares argumentam querer apurar a atuação do movimento e de seus financiadores. Entre os titulares do colegiado há deputados do PP, PL, União Brasil, MDB, Republicanos e PSDB.

A comissão será presidida pelo deputado Tenente Coronel Zucco (Republicanos-RS) e terá relatoria do deputado Ricardo Salles (PL-SP). Já o PT tem oito membros: Nilto Tatto (SP), Padre João (MG), Valmir Assunção e Paulã (AL), titulares. Os suplentes são Gleisi Hoffmann (PR), João Daniel (SE), Marcon (RS) e João Daniel (SE). Pelo PSOL, a deputada Sâmia Bomfim (SP) é titular e a deputada Talíria Petrone (RJ), suplente.

CPMI

Na quinta-feira, 25, às 9h, a Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investigará os atos antidemocráticos de 8 de janeiro será instalada com a presença dos três senadores cearenses: Eduardo Girão (Novo), Cid Gomes (PDT) – como titulares – e Augusta Brito (PT), como suplente. Deputados e senadores vão apurar os ataques ao Congresso Nacional, Palácio do Planalto e o Supremo Tribunal Federal (STF), que foram invadidos e depredados.

Com duração inicial de seis meses, a comissão será composta por 32 titulares, divididos igualmente entre deputados e senadores. A maioria dos partidos já indicou seus membros. Até o momento, a composição ainda não está completa. Caso fiquem pendências até instalação da comissão, caberá ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), anunciar os nomes.

Após instalada, serão definidos o presidente e o relator da comissão. O senador Eduardo Braga (MDB-AM) e o deputado Arthur Maia (União-BA) são os cotados para relatar e presidir a CPMI, respectivamente.

[ Mais notícias ]