Voltar ao topo

20 de junho de 2024

Condel aprova orçamento do FNE e confirma R$ 4,7 bilhões em recursos para o Ceará em 2024

O montante será aplicado pelo Banco do Nordeste em setores como o comércio e serviço, agricultura e pecuária, indústria e infraestrutura.
O recurso será aplicado no desenvolvimento de pequenos negócios e programas de crédito, como o Crediamigo e o Agroamigo. (Foto: Divulgação/BNB)

Compartilhar:

O Conselho Deliberativo da Sudene (Condel) aprovou, nesta quarta-feira (13), um investimento de R$ 37,8 bilhões no Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE) a serem aplicados nos setores produtivos Nordeste, em 2024. Deste valor, R$ 4,7 bilhões serão destinados ao Ceará, o que representa 12% do valor total.

O Banco do Nordeste (BNB), que detém a operacionalização do fundo, irá aplicar o recurso em diversos setores. Entre as áreas beneficiadas no Ceará, destacam-se comércio e serviço, que receberão R$1,4 bilhão, e os segmentos de agricultura e pecuária, que juntos serão contemplados também com cerca de R$1,4 bilhão. A indústria e a infraestrutura terão R$ 880 milhões cada uma.

O presidente do Banco do Nordeste, Paulo Câmara, prevê um crescimento da economia nordestina acima da média nacional nos próximos anos. Ele destacou as aplicações recordes com recursos do Fundo Constitucional nesse ano. “Esperamos um 2024 muito promissor, com a retomada da economia, novos investimentos nos setores produtivos e mais geração de emprego e renda. Para isso, os recursos aprovados pelo Condel são fundamentais”, destacou.

“No primeiro semestre, recebemos do Ministério da Integração e Desenvolvimento Regional e da Sudene o desafio de aplicação total dos recursos do FNE. Esses valores foram aplicados em sua integralidade já no último mês de novembro. Para o próximo ano, os desafios permanecem, mas temos a expectativa de avançarmos ainda mais”, completa Câmara.

Prioridade são mini e pequenos

A projeção para 2024 inclui a aplicação de R$ 23,53 bilhões, ou seja 62,2% dos recursos, em empreendimentos nordestinos de mini, micro, pequeno e pequeno-médio portes, considerados prioritários pelo banco. O valor representa recorde na história da programação do FNE para esse público, que tem um faturamento máximo anual de R$ 16 milhões.

Ainda está previsto que R$26,5 bilhões serão destinadas para as microrregiões classificadas como de “baixa” e “média renda”, conforme a tipologia da Política Nacional de Desenvolvimento Regional (PNDR).

Outros 10% do orçamento do FNE são reservados pelo Banco do Nordeste para aplicação por meio do seu programa de microcrédito urbano, o Crediamigo. O que totaliza R$ 3,78 bilhões. Já o Agroamigo, com o qual o banco operacionaliza o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), receberá um aporte de R$ 8 bilhões do Fundo.

“Com essas ações, o Banco do Nordeste reafirma seu comprometimento com o desenvolvimento sustentável, econômico e inclusão social, fortalecendo sua missão de ser um agente transformador na construção de um futuro mais próspero para as comunidades que atende”, finaliza Câmara.

[ Mais notícias ]