Voltar ao topo

17 de julho de 2024

Ciro Gomes fala em desmantelamento da Petrobras, para vendê-la a preço “irrisório”

"Ciro sabe o que diz, conhece o serviço público, foi ministro da Integração Nacional e da Fazenda
Foto: Divulgação

Compartilhar:

O ex-ministro da Fazenda, Ciro Gomes, gravou um vídeo primorosamente rico em imagens, onde esclarece de forma didática o que está acontecendo na segunda maior petrolífera do mundo em extração no mar. Diariamente, são mais de dois milhões de barris, “tudo pago em real”, segundo Ciro. Ele denuncia o esquema de dolarização, cujo objetivo seria “desmantelar a empresa para entregar ao mercado, vendendo a preço irrisório”. Ciro sabe o que diz, conhece o serviço público, foi duas vezes ministro, tendo passado nas pastas da Integração Nacional e da Fazenda.

“A Petrobras retira o petróleo em real, refina em real, paga os salários dos funcionários em real e está vendendo em dólar, para aumentar o lucro, entregar ao mercado financeiro e acabar com a empatia dos brasileiros pela Petrobras”, disse Ciro, em tom de denúncia, no vídeo que está em seu perfil no Facebook.

Ciro afirma que a Petrobras é vítima de “roubo e entreguismo”. Diz, ainda, que o desmantelamento da empresa vem de vários governos. Uma história de erros, roubos e entreguismo, que se traduz na atual política de preços.

“Para aumentar o lucro, agradar a bolsa e o mercado e acabar com a simpatia do povo pela Petrobras. Até quando vamos aguentar isso?”, perguntou e respondeu. Segundo Ciro Gomes, “o governo Bolsonaro está vendendo refinarias e subsidiárias por preços irrisórios”.

De forma didática, como um professor em sala de aula, Ciro mostra muito do atual quadro. “O motorista de caminhão transporta a carga em real e paga o diesel em dólar, o taxista, o motorista de aplicativo e o mototaxista cobram em real e acabam pagando em dólar. A dona de casa paga o gás de cozinha em dólar, vítimas de batedores de carteira”, ataca.

A história da Petrobras está ligada ao início do processo de industrialização do Brasil. A criação da empresa partiu de uma intensa mobilização da sociedade civil, entidades privadas e entes governamentais, por meio da campanha “O petróleo é nosso”, que defendia a participação direta do Estado na produção de petróleo. Assim, o presidente Getúlio Vargas (1882-1954), por meio de políticas nacionalistas e desenvolvimentistas, anunciou a criação da empresa. A Petrobras surgiu em um momento de forte intervenção do Estado na modernização do país, com o fomento às chamadas indústrias de base, unidades voltadas para a produção de matérias-primas para outros ramos da economia.

A Petrobras não tem mais o monopólio da produção, extração e distribuição de combustíveis. A empresa possui como maior acionista o governo brasileiro, que está querendo vender suas ações e se tornar minoritário. Estamos falando de bilhões de dólares e o fim de bela história. A Petrobras vai além de combustíveis. Já se tornou a maior em energias alternativas.

[ Mais notícias ]