Voltar ao topo

24 de julho de 2024

Cid Gomes é eleito vice-presidente da CPMI do 8 de janeiro; Ceará tem 4 integrantes

A CPMI também é composta pelos senadores Eduardo Girão (Podemos-CE) e Augusta Brito (PT-CE), como titular e suplente, respectivamente; e pelo deputado federal André Fernandes (PL-CE)
Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

Compartilhar:

O senador Cid Gomes (PDT-CE) foi eleito, ao lado o também senador Magno Malta (PL-ES), vice-presidente da CPMI que investigará os atos antidemocráticos de 8 de janeiro. A Comissão Parlamentar foi instalada nesta quinta-feira, 25, e escolheu o deputado Arthur Maia (União Brasil-BA) foi como presidente. Ao assumir, o parlamentar designou a senadora Eliziane Gama (PSD-MA) como relatora. A CPMI também é composta pelos senadores Eduardo Girão (Podemos-CE) e Augusta Brito (PT-CE), como titular e suplente, respectivamente; e pelo deputado federal André Fernandes (PL-CE), autor do requerimento de instalação.

Ao assumir a presidência da CPMI, Arthur Maia afirmou que o colegiado investigará o que chamou de “narrativas” sobre os ataques em que o Congresso Nacional, o Palácio do Planalto e o Supremo Tribunal Federal (STF) foram invadidos e depredados em Brasília. “Temos a responsabilidade de zelar por esse legado democrático, trazido por tantos homens e mulheres, alguns que perderam a sua vida”, disse.

“Não é razoável que não tenhamos vivido aquilo que aconteceu no dia 8 de janeiro, com a invasão da sede dos Três Poderes e aqui a essa Casa, ao Supremo Tribunal Federal, ao Palácio do Planalto, e nada disso seja investigado por esta própria Casa. Sabemos que há uma narrativa de que tudo que aconteceu está envolvido em uma orquestração maior de um possível golpe para interromper a democracia no Brasil. Isso tem que ser investigado, isso não pode passar em branco”, acrescentou o deputado.

Na avaliação do deputado, a diferença dos trabalhos da comissão e as investigações e análises que já acontecem no âmbito do Supremo Tribunal Federal (STF) é a “transparência”, já que as audiências ocorrerão “em praça pública”. “Sei também que existe narrativa de que houve facilitações. Todos esses discursos existem, e nós, 64 senadores e deputados, teremos obrigação de, com toda honestidade, colher as provas e fazer isso publicamente, porque afinal de contas o grande mérito dessa CPI é fazer as coisas em ‘praça pública'”, concluiu

Na próxima sessão, a senadora Eliziane Gama apresentará o plano de trabalho da comissão. As reuniões serão realizadas semanalmente às quintas-feiras, às 9h. “Houve uma tentativa de golpe, mas não conseguiram. O fato é claro: todos aqui somos contra aquilo que aconteceu, independentemente do que é base ou oposição”, disse.

[ Mais notícias ]