Voltar ao topo

17 de julho de 2024

Cid chama Moro de “oportunista” e vê desistência do adversário como prejudicial a Ciro Gomes

A declaração foi dada durante evento do PDT, nesta sexta-feira, 1º, em Fortaleza.
Foto: Reprodução/Facebook

Compartilhar:

O senador cearense e uma das principais lideranças políticas do Ceará, Cid Gomes (PDT), criticou o ex-ministro Sergio Moro após anúncio de ida para o União Brasil e ‘desistência’ da pré-candidatura à Presidência em movimentações intensas nas últimas horas. “É um grande oportunista, que desqualifica a política e mancha a imagem do Judiciário”, afirmou o senador ao colunista Roberto Moreira, em evento de filiação do PDT, nesta sexta-feira, 1º, na Assembleia Legislativa do Ceará.

“É uma pessoa que não tem a menor lealdade, empatia com qualquer outra pessoa. O que soube é que ele saiu do partido onde estava sem nem dar uma satisfação e vai enfrentar agora, pelo União Brasil, pelo que estou vendo, uma candidatura a senador. Acho que o paulista vai ver que essa pessoa não é digna de representar ninguém”, ressaltou Cid.

Embora Moro esteja empatado tecnicamente com o irmão de Cid, o ex-ministro Ciro Gomes (PDT), nas intenções de voto, o senador vê a desistência do ex-juiz como desfavorável a Ciro na disputa. “Acho que a candidatura dele [Moro] de alguma forma beneficia o Ciro. Ele, ao meu juízo, em seu Estado que é o Paraná, em São Paulo e em Santa Catarina, tira votos do Bolsonaro. Na medida em que ele retira a sua candidatura, o Bolsonaro tende a receber a maior parte dos seus simpatizantes”, declarou. 

LEIA TAMBÉM | PDT filia mulheres para disputar eleições

Na mesma pergunta, o senador teceu duras críticas ao presidente Jair Bolsonaro (PL). “Vamos lutar para desmascarar esse tipo de gente. O Bolsonaro também é um farsante, se dizendo representante de coisas das quais ele não tem a menor proximidade. Bolsonaro é um inimigo da nação”. O pré-candidato à reeleição está à frente de Ciro Gomes na disputa presidencial, e perde para o ex-presidente Lula (PT), que tenta volta ao poder neste ano, segundo as últimas pesquisas divulgadas.

Saída tumultuada

Nesta quinta-feira, 31, o ex-ministro de Bolsonaro divulgou uma nota pública na qual justifica sua saída do Podemos e ingresso no União Brasil. “O Brasil precisa de uma alternativa que livre o país dos extremos, da instabilidade e da radicalização. Por isso, aceitei o convite do presidente nacional do União Brasil, Luciano Bivar, para me filiar ao partido e, assim, facilitar as negociações das forças políticas de centro democrático em busca de uma candidatura presidencial única”, disse.

“A troca de legenda foi comunicada à direção do Podemos, a quem agradeço todo o apoio. Para ingressar no novo partido, abro mão, nesse momento, da pré-candidatura presidencial e serei um soldado da democracia para recuperar o sonho de um Brasil melhor”.

Já na noite desta sexta-feira, 1º, no entanto, o ex-juiz voltou atrás e disse que “não desistiu de nada”.


Também nesta quinta-feira, a presidente do Podemos e deputada federal por São Paulo, Renata Abreu, afirmou em nota que a cúpula do partido teve conhecimento da filiação do ex-juiz Sergio Moro pela imprensa. “Para a surpresa de todos, tanto a Executiva Nacional quanto os parlamentares souberam via imprensa da nova filiação de Moro, sem sequer uma comunicação interna do ex-presidenciável”, diz a nota. O ex-ministro estava filiado ao partido desde novembro do ano passado.

[ Mais notícias ]