Voltar ao topo

23 de julho de 2024

Centenário da eleição de Bode Ioiô vai até próximo domingo

Compartilhar:

Com programação no Museu da Cultura Cearense do Dragão do Mar iniciada no último dia 22, mostra sobre o bode que fez história no Estado e no Brasil tem atividades gratuitas, presenciais e virtuais

Redação OPINIÃO CE
redacao@opiniaoce.com.br

Equipamento fica no Dragão do Mar (Foto: Natinho Rodrigues)

Segue até o próximo domingo, 3, a programação do centenário da eleição do Bode Ioiô, com a visita no Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura à exposição “O universo fabuloso do Bode Ioiô”, na sala 1 do Museu da Cultura Cearense (MCC).

Também serão realizadas ações alusivas à passagem do Bode Ioiô: no dia 1º de abril, às 15 horas, no YouTube do Dragão, será lançada a videorreportagem “Ioiô: o bode que fez história.”

Idealizada pela educadora Mirella Mirla, a produção audiovisual traz o educador patrimonial, pesquisador e turismólogo Gerson Linhares para contar um pouco da história do bode mais famoso que já existiu no Ceará.

No dia 2 de abril, também às 15 horas e no mesmo canal, o educador Amadeu Batista receberá a turismóloga e professora Gláudia Mapurunga para uma mesa redonda virtual sobre “Usos e Representações do Bode no Ceará.” No encontro, serão abordadas a caprinocultura e a ovinocultura como elementos culturais do sertão cearense e a importância da Tejubode, tradicional feira de animais que movimenta toda a região do vale médio do Rio Curu, em Canindé.

Encerrando a passagem do bode Ioiô pelo MCC, no dia 3, às 16 horas, na sala 1 do MCC, será relançado o cordel “Ioiô – uma entrevista com o bode mais querido do Ceará”, de autoria de Torquato Lima e Klévisson Viana, com distribuição gratuita.

BODE PROTAGONISTA
Icônico personagem da cultura cearense, Bode Ioiô, ou Yoyô, é um símbolo de municipalidade. Retirante, chegou a Fortaleza com uma família que fugia da seca do 15. Sua simpatia pelas rodas de conversa e cachaça deram-lhe popularidade, um dos pontos de partida para que o Bode fosse transformado em mecanismo de protesto político. Na época da eleição em cédula de papel, dizia-se que tinha tido votos para ser eleito vereador.

Em 2019, o Bode Iôiô foi tema do enredo da escola de samba Paraíso do Tuiuti, vice-campeã do Carnaval 2018 com “Meu Deus! Meu Deus! Está extinta a escravidão?”, que retratou Michel Temer com um vampiro. Com o contexto político do animal, a ideia da escola foi chamar atenção para o voto consciente. Em 2019, o enredo da Paraíso do Tuiuti ficou com o carnavalesco Jack Vasconcelos e foi intitulado “O salvador da pátria.”

O desfile fez retrospecto do cenário predominante da vida nordestina até o século passado: de êxodo rural. Na Marquês de Sapucaí, retirantes e o Bode fugiram da seca no sertão cearense em direção a Fortaleza. Os percalços vivos por retirantes também foram retratados.

[ Mais notícias ]