Voltar ao topo

17 de julho de 2024

Ceará avança na criação do Geoparque em monólitos do Sertão Central

Grupo de Trabalho (GT) para criação do Geoparque Sertão Monumental (GSM) iniciou o evento Geodia, com objetivo de promover ações para divulgar a importância da Geodiversidade, do Geopatrimônio e das Ciências da Terra
Foto: Divulgação/Sema

Compartilhar:

Composto por 16 instituições, o GT, o Grupo de Trabalho (GT) para criação do Geoparque Sertão Monumental (GSM) iniciou, nesta semana, o evento Geodia. Com o objetivo de promover ações para divulgar a importância da Geodiversidade, do Geopatrimônio e das Ciências da Terra, o encontro apresenta os geossítios com paisagens graníticas de relevância internacional do GMS às entidades. A programação segue nesta quinta-feira, 20.

Entre as atividades estão uma audiência pública realizada na Câmara Municipal de Quixadá. Participaram a titular da Sema, Vilma Freire. Localizada no Sertão Central, a área poligonal de 5.345 km² do GMS compreende os municípios de Quixadá e Quixeramobim. De acordo com a secretária, “o GT tem o objetivo de articular o Geoparque Mundial, de forma a promover o desenvolvimento sustentável, a conservação do patrimônio geológico e fomentar o geoturismo na região, bem como obter concessão da chancela mundial pela UNESCO”

Conforme professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE), Felipe Monteiro, com 20 sítios e geossítios de valor arqueológico, paleontológicos, histórico e cultural, sendo dois de relevância internacional e 12 de relevância nacional, o espaço está dentro dos critérios da UNESCO de geoconservação, geoeducação e geoturismo.

Monteiro foi o responsável pela apresentação do projeto e explicou que os Geoparques são patrimônios naturais certificados pela UNESCO

Nosso papel agora é preparar o terreno para a vistoria da UNESCO. A Chapada do Araripe é hoje o único Geoparque do Ceará. Quixadá e Quixeramobim possuem paisagens unificadas de grande beleza cênica, numa área geográfica, geológica e ecológica de relevância internacional: os Monólitos de Quixadá e mais quatro Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPN). Temos um cenário ideal”. 

Os cenários são preservados pelo Monumento Natual (MONA) – categoria de Unidade de Conservação (UC) que tem como objetivo preservar a integridade de um elemento natural único, de extrema raridade ou beleza cênica. No total, o Ceará tem monólitos concentrados em mais de 50 elevações e protegidos por uma UC.

Ainda em fala, a secretária Vilma agradeceu a presença dos AJAs e conclamou a união de todos. “Vamos trabalhar juntos: poder público – Estado, prefeituras e câmaras municipais – academia, ministério público, sociedade civil. O que se quer é a chancela da UNESCO para dar visibilidade mundial a esta imensa riqueza. A MONA existe há mais de 20 anos e estes estudos devem provocar celeridade na decisão. É isso que queremos: o Ceará sempre à frente, expondo a beleza da caatinga e do nosso sertão”. 

Além de Vilma e Monteiro, também marcaram presença no primeiro dia do evento a titular da Secretaria de Turismo (Setur), Yrwana Albuquerque; o prefeito Ricardo Silveira, de Quixadá; Sandra Santiago, da Autarquia do Meio Ambiente de Quixeramobim, representando o prefeito do município, Cirilo Pimenta; o presidente da Câmara Municipal de Quixadá, Luiz Neto, que conduziu os trabalhos; vereadores e vereadoras; promotores do Ministério Público; técnicos do Serviço Geológico Brasileiro; Clébio Viriato, presidente da Fundação Cultural; Mara Lopes, superintendente da AMMA, além de representantes da UECE, UFC, IFCE e Agentes Jovens Ambientais (AJAs).

GEOPARQUES

No conceito da UNESCO, os Geoparques são territórios de interesse geológico e geomorfológico, com uma estratégia de desenvolvimento responsável tanto social quanto ambientalmente. Além disso, também são geridos com um conceito holístico de proteção, educação e desenvolvimento sustentável. No Brasil, até o momento, três Geoparques Mundiais têm o reconhecimento da UNESCO: o Araripe (CE), Seridó Geoparque (RN), e Caminhos dos Cânions do Sul (localizado entre o Rio Grande do Sul e Santa Catarina).

Localizado no sul do Ceará, o geoparque Araripe apresenta aproximadamente uma área de 3.789 km². O território é conhecido por estar inserido em um importante período geológico chamado Cretáceo – da Era Mesozoica onde habitou fósseis de 150 à 90 milhões de anos.

Os fósseis têm sido fonte de inspiração para os artesãos, artistas plásticos e agentes culturais da região, especialmente aqueles que se dedicam a arte de criação de geoprodutos, a exemplo da confecção de réplicas de fósseis comercializáveis liberadas pelas autoridades competentes dos órgãos ambientais. A região também se destaca pelo sistema hidrogeológico que transforma esse recorte territorial em um oásis no semiárido nordestino.

[ Mais notícias ]