Voltar ao topo

23 de julho de 2024

Capital tem atualmente cerca de 30% dos leitos municipais de 2021 para síndromes respiratórias

Compartilhar:

Número é voltado a leitos da rede pública municipal. Este ano, há 321 leitos entre de observação, enfermaria, cuidados respiratórios graves e UTI. Em 2021, foram 943

Giovana Brito
Especial para OPINIÃO CE
giovana.brito@opiniaoce.com.br

Instituto Dr. José Frota (IJF), no Centro de Fortaleza (Fotos: Natinho Rodrigues)

Com um cenário de baixa transmissão do novo coronavírus, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) mudou o perfil de internação dos leitos da rede pública de saúde. Este ano, foram disponibilizados 321 leitos para tratamento de síndromes respiratórias, estes entre de observação, enfermaria, cuidados respiratórios graves e Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Em 2021, Fortaleza manteve 943 leitos ativos, ou seja, atualmente, a Capital tem cerca de 30% dos leitos destinados a síndromes respiratórias do que tinha em 2021.

Atualmente, a pasta disponibiliza 20 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e 30 leitos de enfermaria, exclusivos para tratamento da covid-19, conforme nota enviada ao OPINIÃO CE nesta terça-feira, 8. Segundo o IntegraSUS, o número de mortes em razão da doença na Cidade chegou a 10.682. A média móvel de casos (21,6) é inferior à registrada duas semanas atrás, com queda de 68%, em dados levantados pela SMS.

No dia 19 de fevereiro, a média estava em 68,1 casos. Os registros de atendimento voltaram aos níveis anteriores à terceira onda. A previsão da gestão é de continuidade na redução e que os atendimentos em postos de saúde e Unidades de Pronto Atendimento (UPAS) ocorram em virtude de outras síndromes gripais que são causadas por viroses sazonais respiratórias.

A curva no número de óbitos sofreu alteração em janeiro deste ano e o fator foi associado à variante Ômicron, porém, voltou a apresentar estabilidade. Outra variação drástica foi sentida na comparação do número de óbitos entre janeiro e fevereiro. No primeiro mês do ano, a tendência de aumento do número de casos fez a incidência no número de mortes retomar os números do início da pandemia. Os dados de fevereiro da SMS apontam redução de 52% na média diária de mortes em fevereiro.

LEITOS DE UTI
No primeiro dia deste mês, a taxa de ocupação de UTIs por síndrome respiratória aguda grave (SRAG) e covid-19 estava em 41,03%. Até a conclusão deste conteúdo, o número de ocupações estava em 37,58% dos leitos disponíveis. As UTIs infantis apresentavam 70% de ocupação. Taxa mais preocupante dos dados, o aumento do número é expressivo quando comparado com o primeiro dia do mês, em que se apontou 49,25%.

Alguns fatores elevam a taxa de infecção entre as crianças, por exemplo, a alta contaminação da Ômicron, a resistência à vacinação e a volta às aulas presenciais. De acordo com a SMS, em Fortaleza, 273 mil crianças entre cinco e 11 anos receberam a primeira dose (D1) da vacina contra covid-19.

[ Mais notícias ]