Voltar ao topo

17 de julho de 2024

Camilo monta escritório e assessoria e se reúne com cúpula do PT, pela internet

Compartilhar:

O ex-governador Camilo Santana está de volta. Na verdade não parou, só arrumou a mala e mudou de casa. Sua vida política segue acelerada, conversando com lideranças da Capital e do sertão e mantendo conversas com o prefeito Sarto e a governadora Izolda Cela.

Na noite em que recebeu a Medalha Iracema, Camilo distribuiu simpatia. Perfeito candidato, foi receptivo, como sempre. O pré-candidato ao Senado Federal cumprimentou todos os convidados. No palco, após colocar a medalha no peito, leu a lista de autoridades e acrescentava, sempre, alguém que não constava na relação de nomes.

Conversei com o ex-governador. Perguntei como se sentia, agora, fora do governo. Respondeu com um sorriso e disse: “Tô bem”. Perguntei o que estava fazendo e ele disse que “conversando com todos, inclusive, com o Lula”. Camilo acompanhou todo o desdobramento para consolidação da aliança PT/PSB.

O ex-governador foi escalado por Lula para representá-lo na formação do acordo político no Ceará com o PDT. O trabalho começou. Com ampla vantagem nas pesquisas, só surgiu, até agora um adversário: o empresário Alberto Bardawil.

O roteiro de trabalho de Camilo Santana não se conhece. Sua agenda, também, não. Ele revelou que está montando um escritório político para receber aliados, contratou assessoria e estava acompanhado de um jornalista, que faz parte da nova equipe de trabalho.

Sarto na linha de frente

No mutirão de médicos em defesa da vida, o prefeito Sarto vai atuar como médico. Na solenidade que homenageou os profissionais de saúde, ele fez uma revelação importante: todos os dias morriam trabalhadores da saúde com Covid e nenhum deles desistiu, mesmo vendo a morte bem de perto.

Ciro Gomes na crescente

Os institutos de pesquisa já sinalizam o crescimento de Ciro Gomes nas intenções de voto. Demorou, mas será verdadeiro. Os brasileiros que rejeitam Lula e Bolsonaro estão escolhendo um candidato. Cerca de 90% ainda não definiram o voto.

[ Mais notícias ]