Voltar ao topo

25 de julho de 2024

‘Assado de peixe da Taíba’ pode se tornar patrimônio cultural e imaterial do Ceará

Projeto de Lei busca reconhecer tradição centenária como parte da identidade cultural e econômica de São Gonçalo do Amarante, na Grande Fortaleza
Foto: Reprodução/Prefeitura de São Gonçalo do Amarante

Compartilhar:

Tramita na Assembleia Legislativa do Ceará (Alece) um projeto de lei que propõe a instituição do assado de peixe da Taíba, localizado no município de São Gonçalo do Amarante, na Grande Fortaleza, como patrimônio cultural e imaterial do Ceará. O PL 950/23 é de autoria do deputado Cláudio Pinho (PDT) e tem como objetivo principal reconhecer e preservar a prática cultural única, além de impulsionar o turismo na região, promover a cultura local, criar oportunidades de emprego e fortalecer a economia da comunidade.

A leitura no Plenário ocorreu nesta terça-feira, 19, e o projeto seguiu para análise das comissões. Se aprovada, a matéria será votada em Plenário.

Na justificativa, Cláudio Pinho ressaltou que a iguaria é uma tradição que envolve não apenas a preparação do peixe, mas todo um ritual que o torna ainda mais especial.

“A prática inclui a “dança do coco”, onde os pescadores dançavam antes de saborear o peixe assado à beira-mar. A receita tradicional permite apenas três tipos de peixe: guarajuba, serra e bonito, temperados apenas com sal grosso e limão”.

O parlamentar destacou o processo de produção da tradição, que remonta a uma parte essencial da identidade da comunidade de São Gonçalo do Amarante. “O peixe é assado em espetos de madeira inseridos no chão, com o fogo sendo alimentado por quengas de coco. Todo o processo dura entre 20 e 30 minutos, criando uma experiência gastronômica única”, frisou Cláudio Pinho, reforçando que o reconhecimento objetiva fortalecer a identidade local e contribuir para a preservação da prática que encanta moradores e visitantes há décadas.

[ Mais notícias ]