Voltar ao topo

17 de julho de 2024

Após cerca de 40 dias, sol volta a aparecer na Capital

Compartilhar:

Maior marca de volume de chuvas foi registrada no ano de 2003, quando Fortaleza ficou cerca de 50 dias seguidos com precipitações, entre 23 de fevereiro e 14 de abril

Fortaleza esteve perto de bater um recorde histórico: o de dias seguidos com chuvas na capital cearense. A maior marca foi registrada no ano de 2003, quando a Cidade ficou cerca de 50 dias seguidos com precipitações, entre 23 de fevereiro e 14 de abril. A atual marca de 41 dias consecutivos de chuva é a terceira maior entre os municípios do Ceará. Completam a lista as cidades de Maracanaú, com 42 dias, e São Gonçalo do Amarante, com 43. Fortaleza e Maracanaú fazem parte da mesma macrorregião, a do Litoral de Fortaleza, cuja previsão semanal indica chuvas isoladas pela parte da noite e madrugada no dia de hoje (14), e pela parte da tarde e da noite amanhã (15). Já na macrorregião do Litoral do Pecém, onde se encontra a cidade de São Gonçalo do Amarante, a previsão é de chuva pela manhã no dia de hoje e no dia todo amanhã. Até o momento, a macrorregião que mais registrou chuvas este mês foi o Litoral Norte. O município de Barroquinha, localizado na região, apresenta a maior marca do Estado, com o valor de 278,3 milímetros (mm) observados. O Litoral de Fortaleza vem na sequência, com três municípios ultrapassando a marca de 200 mm observados no mês, com Fortaleza liderando a lista, com a marca de 253,6 mm, seguido por Eusébio e Aquiraz, que registraram 211 e 208,8 mm, respectivamente.

LITORAL DO PECÉM
A macrorregião do Litoral do Pecém conta com duas cidades com marcas superiores ao valor de 200 mm mensais: o município de Paraipaba registrou 251 mm, enquanto São Gonçalo do Amarante marcou 235,6 mm em seus pluviômetros. No Maciço de Baturité, a cidade de Palmácia registrou 208,2 mm de precipitações. Todas as outras cidades do estado não ultrapassaram, por enquanto, a marca de 200 mm. Apesar da quantidade de milímetros registrados serem superiores, apenas dois municípios, dos sete que ultrapassaram o valor de 200 mm, estão acima da média. O município de Barroquinha, que registrou a maior marca, está apenas 0,2% acima do valor esperado. Já a cidade de São Gonçalo do Amarante está 7,4% acima da média.

Analisando apenas as médias, dos 184 municípios cearenses, apenas cinco estão com chuvas acima da média histórica esperada, sendo de quatro macrorregiões diferentes. O que significa que das oito macrorregiões existentes, metade delas está com todos os seus municípios abaixo da média, enquanto as outras têm apenas um município acima desse valor, com exceção da região da Ibiapaba, que possui dois municípios acima da média.

Além dos municípios de Barroquinha, na região Litoral Norte, e de São Gonçalo do Amarante, na região do Litoral do Pecém, os municípios de Poranga e Ipaporanga, ambos na região da Ibiapaba, e a cidade de Independência, na região do Sertão Central e Inhamuns são os que estão acima da média. Poranga registrou o valor de 180 mm mensais, 32,8% acima da média, enquanto Ipaporanga registrou 178 mm, que representa 4,3% acima do valor esperado. Já Independência observou 149,3 mm no mês, o que corresponde a 10,1% a mais da média histórica do município.

As regiões do Cariri, aguaribana, Litoral de Fortaleza e Maciço de Baturité estão com todos os municípios abaixo da média histórica mensal. Destaque para a região do Cariri, que possui dois municípios com desvio negativo de mais de 90% abaixo da média. As cidades de Altaneira e Baixio, ambas na região do Cariri, observaram apenas 13,2 e 15 mm, respectivamente, o que marca 92,6 e 91,9%, abaixo da média mensal. O único município com marca pior é o de Antonina do Norte, na região do Sertão Central e Inhamuns, que registrou apenas 9 mm de precipitações, desvio negativo de 93,8% da média.

[ Mais notícias ]