Voltar ao topo

17 de junho de 2024

A renda vai descendo a ladeira

Compartilhar:

A média da renda do trabalho dos 40% mais pobres nas metrópoles brasileiras caiu no primeiro trimestre de 2022. Aliás, desabou. Foi de R$ 245,55 no último trimestre de 2021 para os atuais R$ 240,79. Essa é mais uma faceta da penúria em que se encontra o País. O cenário que não se define unicamente pela miséria, mas também pela desesperança. A informação consta do “Boletim – Desigualdade nas Metrópoles”, já na oitava edição, produzido pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Observatório das Metrópoles e Rede de Observatórios da Dívida Social na América Latina.

A base do estudo é a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, do IBGE. Trata-se de uma apurada observação da renda domiciliar per capita do trabalho e inclui o setor informal. As 22 principais regiões metropolitanas do Brasil, obedecendo as definições, estão cobertas pelas informações.

Linhas tortas
Não é somente o decréscimo da renda que chama atenção, mas a trajetória. É que havia uma tendência de crescimento que foi interrompida. Entre o primeiro trimestre de 2020 – anterior à pandemia, portanto – e o terceiro daquele ano, a renda dos mais pobres chegou a ralos R$ 183,61. Depois disso, houve o avanço até R$ 245,55. Agora, é ladeira abaixo.

Empate
Os coordenadores do estudo explicam que a inflação é o principal motivo da curva para baixo. Mas a falta de políticas econômicas e de apoio ao trabalho também causa danos. É que, segundo os cálculos dos pesquisadores, na (remotíssima!) hipótese de inflação zero, a renda estaria mesmo era aumentando.

Parla!
Frase do professor André Salata, professor da Escola de Humanidades da PUCRS e um dos coordenadores do estudo: “A retomada da economia tem se dado, em grande medida, com base em empregos de baixa qualidade e remuneração”.

Olhar
O poder de polícia sobre a propaganda eleitoral será exercido em Fortaleza pela comissão de fiscalização coordenada pela 118ª Zona Eleitoral. A definição foi adotada pelo TRE do Ceará e – aviso aos navegantes! – já está vigorando. O Tribunal também já disponibiliza um formulário eletrônico na Internet (www.tre-ce.jus.br) para receber denúncias.

Fixação
A vereadora Maria Valdenice Pinto Lima (Cidadania), mais conhecida pelo apelido de “Nêga do Henrique Jorge”, cismou com o incipiente esporte chamado “futmesa”, hortas sociais e centros de atenção psicosocial. De uma só vez, apresentou na Câmara de Fortaleza 12 projetos sobre esses temas.

[ Mais notícias ]